Portais oferecem qualificações sem custo, e com certificados, para melhorar seus conhecimentos sobre empreendedorismo 

Quando se pensa em empreendedorismo e em abrir um novo negócio, muitos detalhes devem ser considerados, incluindo qual será o ramo do negócio, o produto que será oferecido, os custos para começar, o meio de divulgação, etc.

Entretanto, existe algo que muitas pessoas esquecem antes de começar a empreender: a qualificação correta, que muitas vezes evita erros iniciais e a longo prazo, ajudando a garantir não só a saúde financeira, mas também o sucesso da empresa. 

Assim sendo, separamos neste artigo alguns sites que oferecem gratuitamente cursos voltados ao empreendedorismo, e alguns deles possuem certificado de conclusão! Confira abaixo e boa leitura! 

Porque fazer um curso on-line? 

Até alguns anos atrás, muitas pessoas desconfiavam se cursos em formato EAD (sigla para Ensino à Distância) eram realmente confiáveis.

Isso porque, quando são pagos, possuem preço menor quando comparados com a modalidade presencial. 

Contudo, com a pandemia da Covid-19 e a necessidade do isolamento social, o ensino à distância mostrou ser uma forma essencial de transmitir aprendizado de um jeito eficiente e rápido.  

As principais vantagens do EAD que podemos enumerar aqui são: 

  • Horários mais flexíveis, podendo fazer as aulas a qualquer dia e no tempo mais conveniente; 
  • Rapidez na inscrição; 
  • Custo menor, pois não é necessária infraestrutura física para que as aulas aconteçam; 
  • Comodidade, já que o curso pode ser feito de qualquer dispositivo com acesso à internet, inclusive celular; 
  • Plataforma para resolução de dúvidas; 
  • Diploma reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), sendo equivalente a certificação da versão presencial; 

Já que explicamos como funciona um curso à distância, confira algumas instituições que oferecem qualificações on-line gratuitas! 

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) 

Fundada em 1972, é a principal entidade privada brasileira responsável por desenvolver micro e pequenas empresas, através de:

  • Parcerias com o setor público e privado;
  • Feiras de negócios;
  • Acesso à inovação e outras ações. 

Reforçando seu propósito, o Sebrae possui uma plataforma com cursos on-line divididos em segmentos como finanças, planejamento, empreendedorismo, etc.

Alguns destes cursos podem ser feitos diretamente pelos aplicativos WhatsApp e Telegram, sendo uma opção para quem não possui computador. 

Todas as formações contam com certificado digital, que pode ser emitido logo após a conclusão ou em até uma hora, no caso de cursos por Telegram ou WhatsApp. 

Confira as opções disponíveis no site do Sebrae clicando neste link. 

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai)

Quando o assunto é apoiar a indústria brasileira, a instituição mais lembrada é o Senai.

Ela possui o maior complexo educacional profissional de toda a América Latina, que está entre os cinco maiores do mundo. 

No caso da qualificação on-line, ela está disponível no portal “Mundo Senai”, que disponibiliza formações gratuitas na seção “Iniciação profissional”, sendo elas “Empreendedorismo”, “Finanças pessoais”, “Tecnologia da Informação e Comunicação” e outras opções. 

O Senai também garante certificado de conclusão, enviado por e-mail em até 10 dias, após realizar uma avaliação final. 

Clique aqui e saiba mais sobre o que é oferecido pelo Senai. 

Udemy 

Esta é uma das maiores plataformas de educação on-line, com 183 mil cursos e 44 milhões de alunos.

As qualificações voltadas para quem quer empreender são gratuitas e todas em português, porém não contam com certificado no final.  

Faça sua inscrição em um dos cursos gratuitos clicando aqui. 

Endeavor

Construir uma cultura empreendedora no Brasil, apoiando e multiplicando o poder de transformação de empreendedores que são grandes exemplos para o país.  

Essa é a missão da Endeavor, organização sem fins lucrativos que atua em território nacional há mais de 20 anos e que já apoiou e acelerou mais de 2.000 empresas por meio de sua rede de empreendedores. 

Sendo assim, a Endeavor disponibiliza 18 cursos on-line para que empreendedores de todo o país não apenas tenham uma excelente capacitação, mas errem menos na gestão de suas empresas. 

As opções de cursos incluem “Como aumentar e gerenciar suas vendas”, “Finanças Básicas para Empreendedores”, “Perfil empreendedor: como identificar oportunidades com a sua cara”, etc. Todos eles trazem conteúdos práticos e exemplos de empresas reais, como Spoleto, Acesso, Natura e outras.  

Contudo, por serem voltadas para conhecimento pessoal, as qualificações desta instituição não possuem certificado de conclusão. 

Clique aqui para acessar os cursos oferecidos pela Endeavor. 

Programa Avançar + (Santander)

Criado pela filial brasileira do Santander, o maior banco da Espanha, o Programa Avançar + foi criado no ano de 2015 e já ajudou o empreendedor por meio da facilitação de parcerias, contratação de estagiários e outras iniciativas. 

A plataforma deste programa conta com qualificações gratuitas (com certificado) e outros conteúdos relevantes, como livros virtuais (e-books), podcasts, vídeos e eventos como workshops. 

Confira os materiais do Programa Avançar + clicando neste link.

Qualifique sua produção com a Cetro e aumente sua lucratividade! 

Como pudemos ver aqui, fazer um curso voltado para o seu negócio, seja ele qual for, traz benefícios para a gestão do mesmo, impactos positivos e menor chance de errar em área específicas. Só que além dos cursos, existe mais uma forma de trazer qualificação para sua empresa e destacá-la no mercado. 

Para isto, conte com as soluções da Cetro para inovar e maximizar sua produção! Nossa ampla linha de produtos atende negócios de todos os tamanhos, desde aqueles que estão começando a empreender até grandes indústrias. 

Acesse este link e veja as opções que a Cetro tem para transformar sua produção! 

E não esqueça de acompanhar o blog da Cetro! Aqui você sempre encontra conteúdos, dicas e tutoriais para seu negócio ir mais longe! 

Algumas estratégias de mercado passaram de opcionais para fundamentais nas empresas; assim como o branding, o profissionalismo de empresas pode ser a fórmula para sucesso

Atuar no mercado criando estratégias para lucrar com sua empresa é um trabalho que pode levar um longo prazo a depender das suas decisões. O branding e a atualização do profissionalismo de empresas são fundamentais para o futuro dessas ações. 

Começar um empreendimento, seja qual for, terá sempre seus riscos iniciais e, provavelmente, ocorrerão erros que poderão prejudicar o andamento do seu negócio, mas isso é normal. Algumas empresas começam da maneira que é possível através de um investimento inicial e só consideram evoluir os processos após um certo crescimento.

branding
O branding efetivo pode ser a chave dos bons números

Isso pode ser ou não um erro, mas o que não deve acontecer é que o investimento na padronização dos processos e na qualidade da produção seja deixado de lado. Acontece que, muitas vezes, por considerarem apenas o ganho financeiro, o planejamento adequado acaba sendo esquecido, atrapalhando o andamento e o futuro do negócio.

A falta de padrão nos processos e investimento na produção unida a falta de pensamento estratégico para um fortalecimento de marca são ingredientes mais que suficientes para a queda de uma empresa. Então, neste artigo, iremos mostrar que estas duas atividades podem, sim, multiplicar a capacidade produtiva do seu negócio. 

GESTÃO EFICIENTE

A partir do momento em que seu empreendimento atinge um patamar mais concreto dentro do mercado, deve-se considerar a profissionalização das funções dos seus colaboradores de acordo com cada integrante da sua equipe, assim como dos processos de produção. Modelos de gestão podem seguir com o intuito de conquistar mais clientes, aumentar a competitividade e consolidar a marca diante o público.

A criação de processos internos também permite um dia a dia menos burocrático, ágil e preciso. Dessa maneira, os negócios devem fluir com mais autonomia considerando que setores responsáveis por cada atividade estejam alinhados e garantindo o procedimento íntegro de suas funções.

O branding ou o fortalecimento da sua marca deve andar em paralelo com essas ideias. Lembrando que cada um interage com a marca de maneiras distintas, embora ela deva ser distribuída através de uma mesma mensagem. 

QUALIFICAÇÃO

Para que possa estar crescendo de forma assertiva, é comum que cargos importantes e de gestão possam estar atribuídos a profissionais qualificados, logo, a profissionalização das empresas exige a definição destes cargos a partir de critérios técnicos. 

Todos estes atributos devem estar ligados aos valores da empresa e o trabalho de branding será bem estudado e gerido por colaboradores capacitados.

ESTIMULE A INOVAÇÃO

Esta ideia nunca esteve em baixa. Aceitar a inovação de ideias e processos são armadilhas para o sucesso e muitas vezes o que faltava para a empresa produzir mais. O investimento em inovação faz parte da profissionalização e não deixa que a administração do seu negócio se perca com o tempo. 

O BRANDING COM IDENTIDADE FORTE

Entregue ao público o que você tem de melhor, não gere dúvidas sobre temática do seu negócio e entregue experiências espetaculares ao consumidor final. 

Todos conhecem plataformas de streaming, mas sempre a Netflix é a primeira a ser lembrada

No início, a consistência pode parecer difícil, mas os resultados podem ser animadores. Comunicar de forma efetiva e coerente é a chave para sua marca e identidade marcarem território no cenário no qual elas estão inseridas. 

MELHORE OS PROCESSOS

Há possibilidades de melhoria de processos internos que ajudem a desempenhar bons resultados, como a automação dos processos, em busca de rapidez, aumento de produtividade, melhor controle e redução de riscos. Fluxos simplificados podem reduzir custos e desperdícios. 

A utilização de equipamentos que trabalham de forma autônoma e que geram menos custos de manutenção e mão de obra também são soluções tecnológicas que auxiliam nessa melhoria. Facilitam, também, a obtenção de dados que possam ser de extrema importância para a saúde da sua empresa. 

Um trabalho de branding bem elaborado, funcionários qualificados e uma constante melhoria de processos, além de ações de inovação e à tecnologia abrangente são peças fundamentais que podem levar qualquer empresa ao patamar de sucesso.  

A Cetro esteve nos quatro dias da Fispal e comandou o sucesso da indústria de automação e inovação; máquinas e equipamentos sofisticados atraíram clientes de todo o Brasil

Mais uma edição da Fispal se passou e a Cetro pôde estar entre as empresas que mais se destacaram durante todo o evento que ocorreu na São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, localizado na Capital Paulista. Foram quatro dias de muita entrega e de resultados expressivos.

Desde 2015 a Cetro Máquinas vem marcando presença na Fispal Tecnologia, reforçando a importância da atualização de equipamentos e expondo, ano a ano, as novidades inseridas em nosso mix de produtos.

Em 2022, trouxemos equipamentos mais produtivos, tecnológicos e linhas que ainda não tinham aparecido em edições anteriores da Feira, como a linha de equipamentos para indústrias farmacêuticas.

Além disso, foram expostos equipamentos que integram uma grande variedade de opções para empresas de todos os portes e nichos do mercado, apresentando soluções para o aumento da capacidade produtiva e para a inserção de tecnologia dentro de inúmeras linhas de produção.

O evento reúne executivos de grandes marcas do mercado em busca de novas formas de produzir e de resolver problemas produtivos de suas empresas. Para isso, a Cetro conta com um time de especialistas que podem sugerir o melhor equipamento e a melhor solução personalizada.

Com mais de 350 expositores, a Fispal Tecnologia e Tecno Carne reuniu cerca de 45 mil pessoas, atingindo marcas superiores dos anos anteriores. O maior encontro para indústrias de alimentos, bebidas, proteínas e embalagens contou com muito networking com profissionais do setor, novidades, tendência e muito “olho no olho” com visitantes e novos clientes.

Além da busca por novos clientes e negócios, a Cetro considera a Fispal uma das feiras mais importantes para se manter posicionada no mercado de máquinas para embalagem e automação e espera que isso continue acontecendo nos próximos anos.

A próxima edição da Fispal será entre os dias 27 e 30 de junho de 2023 e a Cetro Máquinas já tem presença confirmada.

À medida que a produção industrial se reequilibra, as projeções dos empresários se tornam termômetro para o futuro da indústria; números indicam boa relação do mercado nacional

A Produção Industrial Brasileira parece dar indícios de melhora com a alta demanda de produção futura e compra de matéria prima atingindo números animadores desde setembro de 2021. Além disso, o número de empregos nos setores estão em crescente, logo assim facilitando a ascensão dessas demandas com mão de obra qualificada no mercado.

Em mais uma pesquisa realizada pela CNI, Confederação Nacional da Indústria, 1800 empresas foram analisadas, dentre pequenas, médias e grandes porte. Nela é possível notar que as expectativas do empresariado brasileiro aumentaram.

Analisando a UCI, Unidade de Capacidade Instalada, das indústrias é visto que houve um breve aumento, atingindo 70% de capacidade. A UCI é compreendia como a quantidade de máquinas de uma indústria e o quanto ela pode atingir de produção efetiva havendo um trabalho sem interrupções, seja por falhas ou escassez de matéria-prima.

Em uma escala de 0 a 100 pontos, assim como o ICEI – Índice de Confiança do Empresário Industrial, o índice acima de 50 pontos revela um aumento considerável de produção no mês de maio, confirmando uma pontuação animadora de 53,6 pontos contra 46,5 em relação ao mês anterior.

Seguindo a mesma métrica, o emprego na indústria ganhou forças ao saltar de 49,5 em abril para 51,0 em maio, tornando-se mais disseminado ao acompanhar o impulso do crescimento da produção.

Apesar da pontuação abaixo dos 50 pontos, a Unidade de Capacidade Instalada atingiu 46,1 pontos crescendo 2,8 pontos se comparado abril quando a queda de 2,4 pontos poderia parecer abalar os setores, logo por falta de matéria-prima ou não operação constante.

Ainda em maio de 2022 a UCI da indústria geral marcou 70% de crescimento. Ponto positivo, ao longo de que no mesmo mês em 2014 o índice alcançou 71%, sendo o maior do mês desde então. Os números crescem à medida que a indústria avança desprendendo-se do breve receio vivido em épocas recentes.

Pequena Queda

A queda do índice de evolução do nível de estoques indica uma pequena diminuição dos estoques de produção se comparado ao mês de abril. Porém, apesar de estar abaixo dos 50 pontos, a marca de 49,7 ainda não possui níveis alarmantes que possam sugerir novas estratégias de mercado para driblar a falta de produto.

Contudo, o empresário pode ter te criar um alerta em relação ao nível de estoque planejado, uma vez que este nível em relação ao estoque efetivo caiu 1,5 ponto ante 50,6 pontos até então. A marca de 49,1 pontos indica uma queda mais abrangente, se considerado os últimos anos.

Apesar da “frustação” dos estoques, os empresários seguem otimistas com as expectativas de demandas e compra de matérias-primas para o mês de junho. Os índices mostram que, para o sexto mês de 2022, a pontuação de 59,1 foi a maior desde setembro do ano passado, havendo um crescimento de 1,8 ponto.

Logo, as expectativas para exportação estão praticamente estagnadas com diferença de 0,1 ponto entre junho e maio. Já a expectativa do empresário em compras de matéria-prima atingiu uma empolgante marca de 57 pontos, 1,4 ponto a mais que o mês antecedente.

Em junho de 2020 essa mesma expectativa já atingiu 61 pontos, o que indica, hoje, a boa relação do empresário sobre a visão do futuro pós-pandemia. A intenção de investimento, apesar da oscilação, é positiva e atingiu 56,4 pontos. A média histórica de propensão de investimento na indústria é de 51,1 pontos.

Ao que tudo indica

Como resultado, o desempenho da indústria geral oscilou, porém houve, em muitas etapas, uma breve evolução, principalmente em comparações entre maio de 2021 e maio de 2022. Destaca-se as médias empresas, que, no período de um mês, saltaram de 46,6 para 53,6 no índice de evolução de produção.

Outro resultado importante a destacar, as expectativas da indústria geral também mantiveram índices regulares de manutenção. Em contraste com alguns números muito parecidos, pode ser destacado o aumento da intenção de investimento da indústria extrativa que passou de 65 pontos em junho de 2021 para 69 pontos para o mesmo mês deste ano.

Estes dados podem ser obtidos aqui e você pode acompanhar este e muitos mais artigos sobre produção, indústria, inovação e automação aqui, no Blog da Cetro.

Entenda como este conceito, criado no universo das startups, pode ajudar a trazer mais resultados para sua empresa; confira dicas para aplicar o MVP de forma assertiva

Você provavelmente deve conhecer alguém que investiu muito dinheiro em um novo negócio ou produto, mas que por certos motivos acabou tendo prejuízo e, consequentemente, não conseguiu levar sua ideia para a frente. Por outro lado, existe uma técnica que, caso fosse aplicada, faria com que esse produto ou empresa pudesse ser mais aceito no mercado, estamos falando do MVP.

Esta sigla que vem do inglês e significa “Minimum Viable Product”, mas que traduzida para o português significa “Produto Minimamente Viável”. Neste artigo você irá conhecer a origem deste método, exemplos e como ele pode ser aplicado em sua empresa, auxiliando na economia de recursos e sendo um diferencial para alcançar o sucesso que seu negócio merece!

Como e quando o MVP surgiu

A Startup Enxuta, por Eric Ries – Edição 2019

A primeira vez que este termo foi introduzido aconteceu no ano de 2001 pelo cofundador e presidente da empresa de consultoria em gestão SyncDev Frank Robinson. Segundo ele, o MVP é o resultado do “desenvolvimento síncrono”, composto pela execução em paralelo do desenvolvimento de produto e desenvolvimento do cliente.

Contudo, este conceito só foi popularizado dez anos depois, em 2011, no livro “The Lean Startup” (A Startup Enxuta), escrito pelo empreendedor norte-americano Eric Ries, o qual definiu o MVP da seguinte forma:

“O produto minimamente viável é a versão de um novo produto que permite que uma equipe colete o máximo de aprendizado validado sobre os clientes com mínimo esforço.”

Eric Ries

Apesar de ter sido criado no meio das startups, o MVP pode ser usado por empresas de qualquer setor, inclusive por empreendedores que estão começando a progredir com sua empresa.

O que exatamente um MVP pode fazer para sua empresa

Vale destacar aqui que o MVP vai muito além de um protótipo, que apenas mostra o conceito e função que um determinado item pode desempenhar. Com um MVP, clientes podem testar e usar seu produto ainda no estágio inicial, dando feedbacks (retornos) sobre ele e indicando o que está funcionando e os itens e detalhes que podem ser melhorados antes da versão final e, mais bem definida, chegar ao mercado.

O principal ponto abordado pelo MVP é justamente aquela conhecida frase que diz que “tempo é dinheiro”. Ou seja, evitar que um alto investimento acabe sendo desperdiçado, caso não haja aceitação do público ou a demanda não seja atendida, e que o tempo utilizado para desenvolver o produto não seja totalmente perdido, trazendo prejuízo para todos.

Outra vantagem em usar o MVP é a facilidade de mudança na trajetória do produto, permitindo alterações durante o desenvolvimento do mesmo com base na opinião dos consumidores. Assim, complicações que podem surgir futuramente podem ser resolvidas bem antes do lançamento do produto final.

Com a origem do MVP explicada e sabendo como ele pode ajudar seu negócio, confira abaixo alguns exemplos de como esse método foi aplicado e garantiu sucesso em diversas áreas:

Exemplos de utilização do MVP

Uber (aplicativo de transportes)

Até se tornar uma das maiores empresas de mobilidade urbana do mundo, a Uber trilhou um longo caminho, fazendo vários testes para aprimorar seu serviço e adicionar novas funcionalidades.

Uma das maiores empresas de transporte terrestre do mundo, a Uber utilizou a estratégia MVP

A história da Uber começou em 2009, quando o programador Garret Camp gastou mais de 800 dólares junto com seus amigos para contratar um motorista particular. Desde então, ele começou a procurar uma forma de reduzir o preço do transporte direto particular, e chegou à conclusão de que o ideal era compartilhar o custo com os clientes.

A empresa foi lançada em fase de testes (beta) no ano de 2010 nos Estados Unidos, com o nome de UberCab, e só funcionava por meio de um aplicativo para iPhone, por mensagens SMS nos demais celulares ou ainda por seu próprio site, inicialmente atendendo a cidade de São Francisco, no estado da Califórnia, e disponibilizando apenas carros de luxo.

O MVP da Uber foi o suficiente para constatar que havia uma demanda por transporte particular acessível. O aprendizado obtido juntamente com a opinião dos usuários fez com que a empresa iniciasse sua expansão apenas um ano depois, em 2011, operando nas cidades de Nova York e Chicago.

Nova estratégia da Uber é a utilização de viagens com moto

A popular categoria UberX, com corridas mais baratas e no qual os motoristas usam seus veículos particulares, incluindo modelos de entrada, surgiu em 2012, ampliando o alcance do aplicativo para mais pessoas. Após toda essa trajetória, a Uber se consolidou no mercado onde atua, acrescentando novas funções como entregas de supermercados, bebidas, pet shops e outros (Uber Eats), encomendas (Uber Flash), pagamento por sistema pré-pago (Cash), recompensas por pontuação (Rewards), serviço de mototáxi (Uber Moto), etc. Mesmo com tudo isto, ela continua usando MVPs para melhorar seus serviços constantemente.

Até o fechamento deste artigo, um exemplo é a modalidade “Viagem para convidados”, ainda em testes e disponível só para algumas cidades brasileiras. Com ela, um usuário pode pedir uma corrida para outra pessoa informando nome completo e o número de telefone dela. Esta é uma função útil para quem eventualmente fica sem internet ou não está familiarizada com a plataforma.

Pix (criado pelo Banco Central em 2020)

Um exemplo prático de MVP encontrado em nosso mercado é o Pix, meio de pagamento instantâneo e isento de tarifas que você com certeza já ouviu falar ou oferece para seus clientes. Antes de ser lançado, o Pix passou por uma fase de testes, com funcionamento limitado, de 02 a 15 de novembro de 2020.

O sistema PIX revolucionou em pouco tempo as transações bancárias

Durante esse período, apenas 5% dos clientes dos bancos cadastrados podiam fazer transferências entre contas, mas em horários determinados pelo Banco Central. Até o dia 12 de novembro de 2020, foram feitas 826 mil operações.

O resultado obtido desde o lançamento do Pix, em 16 de novembro de 2020, não poderia ser diferente: em março de 2022 foram registradas mais de 1,6 bilhão de transações, sendo que esse número aborda desde transferências entre pessoas até pagamentos de produtos.

Atualmente, o Pix pode ser usado também para pagamentos de contas, como internet, energia elétrica, faturas de cartão de crédito, tributos federais, entre outros; saque em caixas eletrônicos de praticamente qualquer banco e até mesmo fazer compras parceladas (esta modalidade não é regulamentada pelo Banco Central, sendo adotada por bancos como o Santander e fintechs como o Mercado Pago e o PicPay).

Futuramente será possível realizar débito automático com esta ferramenta e converter o valor recebido via Pix em reais para a criptomoeda bitcoin, como a empresa argentina Lemon Cash quer fazer quando iniciar sua operação no Brasil.

Saiba agora como você pode usar a técnica do MVP a favor do seu negócio para reduzir custos e melhorar seu desenvolvimento!

Monte uma equipe

Antes de definir sua estratégia de MVP, é fundamental ter uma equipe formada e principalmente plural, com pontos de vista e visões diferentes entre si. Mesmo que você ainda não tenha funcionários, junte três pessoas, cada uma com as seguintes características:

  • Visão e conhecimento de mercado, para verificar se é possível executar o MVP do ponto de vista financeiro;
  • Alguém que pense nas formas de utilização do produto, garantindo uma excelente experiência para o cliente;
  • Uma pessoa com perfil técnico, que possa afirmar que aquele produto pode ser feito em larga escala.

Defina como será o produto

Com a equipe definida, hora de acertar mais detalhes do seu produto: qual será o nome, público-alvo, vantagens e características. Nesta fase, o ideal é realizar um brainstorming: metodologia composta pelo compartilhamento espontâneo de ideias que tem como objetivo solucionar problemas com perspectivas inovadoras.

Dica: Para facilitar o planejamento, faça uma lista de itens que só pode ser respondida com sim ou não em relação ao que seu produto tem e/ou faz e distribua para o seu pessoal. Alguns exemplos: É um aplicativo? Vai ser vendido pela internet?

Estabeleça a persona do produto

Você sabe para quem seu produto será vendido? Se você ainda não tem a resposta para esta pergunta, comece a montar o quanto antes a persona, ou seja, um perfil fictício que representa qual o cliente que mais se encaixa com o que você oferece.

Para definir uma persona, leve em conta particularidades como: comportamento, estado civil, hobbies, idade, interesses, gostos, profissão e outros dados relevantes. Além disto, procure determinar também quais são as dores e problemas da sua persona, para que assim seu produto possa resolver as necessidades dela.

Dica: Se você tiver recursos suficientes, contrate uma agência e realize com ela um estudo para definir os clientes que você deseja alcançar. Caso contrário, entre em contato com potenciais clientes e faça uma pesquisa. Inclusive, estes mesmos clientes podem ajudar não apenas na construção da persona, mas também no teste do seu MVP.

Tire todos os excessos

Como estamos explicando neste artigo, um MVP deve ser o mais enxuto possível para que os testes aconteçam da melhor forma e você entregue uma experiência satisfatória ao cliente antes do produto final estar disponível. Portanto, só o essencial deve estar presente no MVP.

Para isso, reúna sua equipe e peça para que cada um enumere quais são os itens prioritários do produto. Depois, junte tudo o que foi dito e tire os excessos, deixando apenas o que é fundamental para que seu MVP tenha sucesso.

Lance seu MVP e comece os testes

Com os pontos essenciais e o público-alvo já definidos, chegou a hora de finalmente lançar seu MVP e ver como ele será aceito por seus clientes! Isto não quer dizer que terminou por aqui.

Agora que seu MVP já está disponível, determine quais serão as métricas ou os indicadores de desempenho (KPIs) utilizados para medir e monitorar o desempenho do seu produto.

Fique atento ao feedback do seu público

Após o lançamento do seu MVP, quando receber um retorno dos seus clientes, seja ele positivo ou negativo, use isto como um termômetro para saber se seu produto está no caminho certo ou precisa de correções. Lembre-se que esta etapa de teste é feita justamente para isso.

Planeje seu MVP com atenção e veja os resultados!

Conforme você viu aqui, a criação de um MVP é importante para saber qual será a aceitação do seu produto no mercado, além de auxiliar na construção de uma base de clientes que irá ajudar a melhorar seu negócio!

Se você gostou deste artigo, não deixe de acompanhar o blog da Cetro! Aqui você encontra vários conteúdos pensados para você e sua empresa evoluírem sempre!

O longo período de pandemia acabou agravando as incertezas das indústrias brasileiras em relação ao futuro; agora o cenário pode estar, a passos curtos, voltando ao otimismo

O país viveu cenários de incertezas ao conviver com quedas abruptas de setores durante a pandemia de covid-19 em 2020 e 2021. Estes dois anos causaram impacto em diversos setores da economia mundial e não seria diferente para os empresários ativos das indústrias brasileiras.

Apesar do período conturbado, a confiança destes setores parece estar ganhando forças em enxergar boas chances de crescimento ainda em 2022, como mostram alguns índices que acendem o termômetro para essa expectativa.

Gráfico realizado em pesquisa pelo CNI mostra avanço de 1,3 ponto no ICEI de junho de 2022, a maior marca desde outubro do ano passado

A segurança do empresário é anotada após o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) apontar um otimismo em relação aos setores analisados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), recolhendo dados de 2.251 empresas de pequeno, médio e grande porte no período de 2 a 10 de maio de 2022.

As informações variam entre alta e queda de confiança com setores atingindo resultados acima de 50 pontos, mostrando um aumento de confiabilidade do setor no mês de maio em relação ao mês anterior.

Resultados abaixo de 50 pontos resultam em baixa confiabilidade do empresário para o mercado, porém pode haver aumento mesmo que o índice ainda esteja abaixo da pontuação média de confiança.

Manutenção, Reparação e Instalação de Máquinas e Equipamentos lidera o setor com mais confiança dos empresários

Esferas como Manutenção, Reparação e Instalação de Máquinas e Equipamentos (60,3 pontos), Biocombustíveis (60,2 pontos) e Produtos Farmoquímicos e Farmacêuticos (60,1 pontos) são algumas das quais atingiram pontuações de confiança consideras mais disseminadas dentre as indústrias brasileiras.

Já os campos como Produtos de Borracha (50,6 pontos), Produtos de Limpeza, Perfumaria e Higiene Pessoal (52,2 pontos) e Produtos Têxteis (53 pontos) são, hoje, os setores com mais queda de confiança dentre os empresários com base nos estudos da pesquisa.

Produção Têxtil está entre as indústrias brasileiras com menor índice de confiança

Apesar da “gangorra” envolvendo algumas divisões, o ICEI considerou, também, o índice em relação ao mesmo período do ano passado, a fim de mostrar uma variação de confiança nesses mesmos setores com pontuações elevadas.

Ramo como o de produtos Farmoquímicos e Farmacêuticos, apesar de, hoje, estar entre as maiores pontuações com 60,1, teve uma queda de 0,6 se comparado a maio de 2021. Além disso, houve quedas abruptas de confiabilidade do empresário entre este mesmo período.

O setor de Produtos de Borracha, que já atingiu 59,4 pontos, teve queda considerável de 8,8 pontos, assim como a Metalurgia, antes uma das maiores pontuações com 63,4 pontos caindo para 55,9, por exemplo.

No período de um ano, a indústria de borracha teve a maior queda dentre os segmentos destacados

Em relação ao porte das empresas, o ICEI destaca um equilíbrio de pontuação entre as pequenas, médias e grandes indústrias, constando 56,4, 57,3 e 56,6 pontos respectivamente. Apenas com uma pequena queda de 2 pontos entre as grandes se comparado a maio de 2021.

O ICEI por região destaca mais um equilíbrio entre quedas e aumentos da pontuação de confiança do empresário nacional. A região norte caiu 1,6 pontos entre abril e maio deste.

O Nordeste estabilizou pelo segundo mês consecutivo a mesma pontuação de 57,1 pontos. O sudeste teve queda de apenas 0,3 e Sul e Centro-Oeste obtiveram aumento de 0,6 e 1,3 respectivamente.

As indústrias brasileiras vem fortes e confiantes para retomar a necessidade em garantir o bom período pré-pandemia em que pudemos viver na história recente, pesar de quedas e estagnações de algumas esferas das indústrias.

Há muita positividade, pois, nenhum ramo em questão esteve abaixo da linha dos 50 pontos ou seja, o que leva a crer a boa relação de comércio que podemos aguardar após as incertezas do período pandêmico.

Confira aqui a tabela completa com os resultados setoriais da pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria.

Confira as ferramentas disponíveis para marcar a presença de sua empresa no meio digital; venda na web e se destaque na internet

Com os diversos avanços da tecnologia e com o inevitável ascensão da internet a ao longo dos anos, estar presente no mundo digital se tornou quase que obrigatório para que uma empresa tenha sucesso, não importa o segmento em que atua.

Hoje, tanto os clientes já fidelizados quanto aqueles em potencial possuem celular, rede social, aplicativo de mensagens, enfim; sempre estão conectados com amigos, familiares e com as empresas e marcas que são relevantes para seu dia a dia.

Portanto, ter espaço na internet é mais do que fundamental para que seu negócio seja reconhecido e até mesmo ser expandido. Conheça agora quais plataformas você pode usar para inserir sua empresa no ambiente on-line!

Mas antes, vamos falar sobre uma técnica que pode ser aplicada logo no início da sua jornada digital e que pode evitar gastos desnecessários.

Já ouviu falar em MVP?

Esta é a sigla para “Minimum Viable Product”, que traduzido para o português significa “Mínimo Produto Viável”, conceito que nasceu no mercado de startups, mas logo chegou as grandes corporações e aos empreendedores!

O objetivo principal desta técnica é determinar qual o menor gasto para que sua loja funcione e, além disso, ter o mínimo de funcionamento com a menor despesa para testar uma ideia ou um novo produto.

Agora que você sabe o que é o MVP, conheça em quais meios você pode colocar sua empresa na internet!

Redes sociais

O primeiro passo para começar a divulgar seu negócio na web é utilizando as redes sociais. Através delas é possível conversar diretamente com seu público de várias formas, com textos, imagens, vídeos e etc. O que vale é criar um conteúdo de qualidade que traga engajamento e interatividade para seus clientes e principalmente fazer com que mais pessoas cheguem até você!

Com tantas opções, pode ficar difícil escolher com quais redes trabalhar. Então, defina qual o seu público consumidor e crie suas páginas e/ou perfis onde seus clientes estão. Por exemplo: se o seu público for composto por jovens, o TikTok pode ser a escolha ideal para divulgar seus produtos, assim como o Instagram. E claro: sempre faça testes com a técnica de MVP para definir qual rede social é a mais adequada para seu negócio!

Quer saber como fidelizar seus novos clientes pelas redes sociais? Então clique aqui e confira nosso artigo que com certeza vai te ajudar!

Canais de comunicação on-line

Usar meios virtuais para ter contato direto com seus clientes é uma excelente forma de sua empresa estar no ambiente digital. O exemplo mais prático disto é o WhatsApp: quase todos que possuem um smartphone e acesso a internet tem este aplicativo instalado. Através de uma conta Business você pode não apenas vender, mas também tirar dúvidas, divulgar ofertas e novidades, disponibilizar catálogos, cardápios, informar sobre o horário de atendimento e etc.

O WhatsApp também permite um atendimento personalizado e humanizado para cada cliente, aumentando as chances de construir um relacionamento duradouro. Valem também os aplicativos de mensagens integrados ao Facebook e ao Instagram, sendo eles o Messenger e o Direct, respectivamente.

Perfil da Empresa no Google (antigo Google Meu Negócio)

Você já pesquisou no Google informações sobre uma determinada loja, como telefone, endereço e fotos e acabou não encontrando? Isto prova que é mais do que essencial colocar sua empresa dentro do maior provedor de buscas do mundo. E isto pode ser feito gratuitamente através do Perfil da Empresa, recurso que pode fazer com que novos clientes cheguem imediatamente ao seu negócio!

Dentro do Perfil da Empresa, que pode ser acessado pelo celular no aplicativo Google Maps e no computador diretamente pela página de busca, você pode adicionar endereço, telefone, site, horário de funcionamento, opções de serviço, uma breve descrição, fotos e atualizações, uma espécie de feed de postagens parecido com o Facebook. Dentro do Perfil podem ser feitas também perguntas vindas dos clientes e avaliações da sua empresa.

Você também tem acesso a uma página específica para conferir seu desempenho por meio de estatísticas de ligações recebidas, quais palavras-chave são usadas para encontrar seu negócio, interações, avaliações, reservas, entre outras.   

Em resumo: o Perfil da Empresa no Google trabalha como um pequeno site que pode ser colocado no ar com poucas configurações, tornando-se uma ferramenta importante para alcançar novas pessoas.

Vendas on-line através de e-commerce

Assim como fazem as grandes empresas, vender por meio de um site garante autoridade e amplia as possibilidades de aumentar o faturamento, inclusive podendo ofertar seus produtos para todo o Brasil! Aqui existem duas opções, portanto veja qual é a mais adequada para seu negócio, principalmente do ponto de vista financeiro:

Marketplace: a primeira possibilidade é colocar sua empresa dentro de uma plataforma agregadora, sendo que a grande maioria atua em diversos segmentos. Podemos citar como exemplos: Americanas, Amazon, Casas Bahia, Extra, Mercado Livre, Shoptime, etc.

A principal vantagem dos marketplaces é usufruir da estrutura das plataformas, o que inclui a logística e formas de pagamento (como cartão de crédito, Pix e crediário próprio em alguns casos), reduzindo despesas.

Site próprio: esta opção é mais adequada se você tiver uma reserva separada para investir em seu próprio e-commerce, uma vez que será necessário adquirir domínio e hospedagem, plataforma para montar o site e para efetuar pagamentos, sistema para atendimento on-line (por chat ou redirecionando para o WhatsApp), entre outros itens.

Caso seu capital seja menor, não há problema em fazer um site mais simples, funcionando como uma vitrine virtual e contendo informações básicas, incluindo a origem de sua empresa, localização e meios de contato. Assim, a venda deverá ser concluída fora do portal.

Blog

Além de ter o próprio site para auxiliar nas vendas na internet, outra maneira de divulgar sua empresa no meio digital é criando um blog e produzindo conteúdos de qualidade para manter seu público atualizado e alcançar futuros clientes. O blog também pode ajudar a direcionar visitas a sua loja virtual e vice-versa.

Lembre-se sempre de aperfeiçoar seus textos com base em SEO (Search Engine Optimization, que traduzido para o português significa “otimização de mecanismo de busca”) para que seu negócio apareça, de forma orgânica, entre os primeiros resultados do Google.

Neste caso, você deve ajustar alguns critérios para que tudo o que for elaborado chegue exatamente ao seu público-alvo, como:

  • Palavras-chave que sejam relevantes e façam sentido para seu negócio;
  • Blog responsivo, ou seja, que funcione de forma satisfatória tanto em celulares quanto em computadores;
  • Páginas com carregamento rápido, levando menos tempo para abrir;
  • Backlinks (links que levam para outros textos que estão tanto em seu blog como em seu site).

Tenha em mente que ao trabalhar com SEO os resultados não serão instantâneos, ou seja, leva tempo até seus textos estarem bem posicionados. Portanto, sempre acompanhe as métricas (estatísticas) do seu blog para saber se seus conteúdos estão tendo um bom desempenho.

Importante: Esteja em conformidade com a LGPD e outras normas

Em vigor desde setembro de 2020, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é um conjunto de normas criado para proteger os direitos de liberdade e privacidade e criar segurança jurídica quanto ao uso de dados pessoais no Brasil. Por isso, sua empresa deve estar adequada a estas leis e seguir algumas regras, incluindo:

  • Pedir a autorização do cliente para coletar informações dele, como e-mail e RG, por exemplo;
  • Alguns clientes podem solicitar que seus dados sejam ajustados ou até mesmo apagados;
  • Caso sua empresa reconheça que os dados dos clientes foram vazados, procure uma solução o quanto antes e notifique a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), responsável por fiscalizar e aplicar penas para quem descumprir a LGPD.

Fique atento também ao Marco Civil da Internet (responsável pela regulamentação de deveres, direitos e garantias no uso da internet) e ao Código de Defesa do Consumidor (documento que trata sobre as relações de consumo).

Continue nos acompanhando por aqui!

Quer ficar por dentro dos melhores conteúdos para ajudar no desenvolvimento de sua empresa? Então continue seguindo o blog da Cetro! Aqui você encontra dicas, tutoriais sobre nossos produtos e muito mais para seu negócio continuar crescendo!

O homem que, até pouco tempo, foi o mais rico do mundo decidiu expandir seu sonho para além de sua garagem; uma breve passagem pela história de sucesso de Jeff Bezos, rei do varejo digital

Entre escândalos, definições sobre sua personalidade e modo de vida pacato à magnata, no mundo inovador e da tecnologia Jeff Bezos contribui com afinco para o desenvolvimento de inúmeros mecanismos de modernização de equipamentos, internet, saúde e desenvolvimento humano.

Jeff nasceu na cidade de Albuquerque, Novo México em 1964 e cresceu em Houston, Texas. Sua mãe, Jacklyn Gise Jorgensen, concebeu o pequeno Jeff ainda na adolescência com 17 anos. Após o breve fim de seu casamento com Ted Jorgensen, pai biológico de Jeff, casou-se com Miguel “Mike” Bezos. O imigrante, que fugira da ditadura cubana de Fidel Castro, formou-se em engenharia de petróleo após período de adaptação nos EUA.

Jovem Jeff Bezos em Nova York

Posteriormente a adotar Jeff e conceder seu sobrenome ao enteado, Mike mudou-se com a família à Houston, onde trabalhou como engenheiro na Exxon. Jeff Bezos sempre se portou de maneira eficiente exemplar durante sua passagem na escola e universidade.

Já em Miami, Florida, em mudança com a família, recebeu um prêmio Prata Cavaleiro, em 1982, após frequentar o Programa de Treinamento de Ciências Estudantis na Universidade da Flórida, ainda no ensino médio.

Sua passagem pela Universidade de Princeton foi de extremo sucesso. Formou-se em engenharia elétrica e ciência da computação com honrarias de duas das mais antigas e prestigiadas fraternidades acadêmicas dos Estados Unidos.

Formou-se Phi Beta Kappa, sociedade de honra nas áreas de ciência e arte liberal, com 283 capítulos ativos e foi eleito para Tau Beta Pi, sociedade de honra mais antiga do EUA, atuando como presidente do capítulo Princeton dos Estudantes para Exploração e Desenvolvimento do Espaço.

Muito bem encaminhado academicamente, muitas ofertas de trabalho vieram a tona. Bezos iniciou sua carreira no campo da informática em Wall Street, coração financeiro de Nova York, onde está localizada a Bolsa de Valores americana.

Logo após inicio em Wall Street, decide dar uma chance a empresa ‘Fitel’, startup de telecomunicações onde trabalhou na construção de uma rede comércio internacional onde se tornou diretor de atendimento ao cliente.

Após alta experiência na Fitel, ele decide entrar para o setor financeiro de Wall Street trabalhando para a Bankers Trust, histórica organização bancaria americana, entre 1988 e 1990 como gerente de produto.

Após esse período, Bezos é introduzido à multinacional D.E.Shaw & Co., empresa desenvolvedora de de modelos matemáticos e programas sofisticados de computador para exploração de desequilíbrio no mercado financeiro.

Origem da Amazon

Ao trabalhar com números e números na D.E Shaw & Co., Jeff estudou as possibilidades reais de crescimento da internet no futuro, como 2.300% ao ano. Decidiu então optar pela demissão na multinacional e migrou com a sua esposa MacKenzie Scott para Seattle, onde, durante a viagem, estabeleceu todo o plano de negócios para empreender online na futura gigante do varejo online.

Decidiu instalar sua empresa em sua garagem e, após tempo de estudo, bons olhos para a internet e investimentos de pessoas, como seus pais e investidores contatados durante a viagem, seu sonho de empreendimento começa a ganhar contornos.

Para se tornar gigante era preciso começar pequeno. Sua loja online inicialmente vendia apenas livros, por serem fáceis de vender a preços majoritariamente baixo. Além disso, foi uma maneira de competir com outras lojas físicas de varejo.

Amazon hoje é uma das marcas mais valiosas do mundo

Por conta de uma seleção quase que infinita de títulos disponíveis no mundo, sendo impressos em diversos idiomas e uma grande variedade de edições, os livros se tornaram o carro chefe da empresa justamente pelo fato de que há mais itens nesta categoria do que em qualquer outra.

Jeff Bezos enxergava sua empresa como algo “exótico e diferente”, foi assim que remeteu o nome a Amazon, após deparar-se com o exótico e diferente Rio Amazonas. Iniciar com a letra “A” seria vantajoso de início, pois as empresas ainda eram listadas em sites de busca por ordem alfabética.

O início foi um sucesso. Mais de US$ 20 mil nos primeiros meses com livro destinados a todos os estados americanos e quase 50 países. Isso tudo apenas com toda operação manual feita por ele e seus funcionários em sua garagem, apesar de estar investindo cada vez mais por conta de sua estratégia de queima de caixa, reduzindo valores existentes em caixa.

Após 2 anos mágicos, novos investimentos e investidores a Amazon entra no mundo do mercado financeiro com IPO a US$ 18 por ação com oferta publica na Nasdaq, Associação Nacional de Corretores de Títulos de Cotações Automáticas.

Em 1998 Bezos então decide por expandir seu império comercializando CDs e filmes. Após a expansão, foi além e criou um programa de afiliados com mais de 350 mil sites parceiros dispostos a processar suas vendas pela Amazon.

Em 1999 sua empresa já havia internacionalizado o mercado digital de varejo com aquisições de concorrentes online e operando com comercialização de praticamente tudo. Toda esse sucesso categorizado pela genialidade empresarial de Jeff Bezos o fez crer que sua marca poderia saltar de “apenas” uma loja de varejo para uma gigante da tecnologia.

Amazon Web Services

Em 2002 é lançado a Amazon Web Services, mundialmente conhecida com AWS. A princípio a plataforma fornecia serviço de dados e estatísticas para sites, analisando performances e popularidade de sites, padrões de tráfego na internet e estatísticas de interesse profissionais voltados para marketing e desenvolvimento.

A AWS surge em 2006 como um serviço de computação em nuvem desenvolvido pela Amazon permitindo que o usuário alugue computadores virtuais para rodar suas próprias aplicações, além da possibilidade de alugar armazenamento de dados via internet.

O cloud computing da varejista americana oferece disponibilidade de dados, segurança e performance com muita agilidade. Atende algumas empresas e instituições, como Netflix, Nasa, iFood, CVC, Barcelona F.C, Nubak e até o Departamento de Estados dos EUA.

Pessoas físicas e pequenas empresas puderam comercializar produtos através do site da empresa após início do Fulfillment by Amazon, criado para gerenciar inventário desta categoria. Mais tarde, Amazon investiu pesado em compras de companhias para automatizar e consolidar-se no varejo físico.

Em 2012 adquiriu por US$ 775 milhões a Kiva Systems, hoje Amazon Robotic, empresa desenvolvedora de tecnologia robótica que utiliza unidades de armazenamento portáteis. São robôs móveis que navegam pelos depósitos auxiliando na condução de pods

Robôs da Amazon Robotic em operação em um dos estoques da AMazo

rastreáveis e entregando-os ao operador para que seja feita a separação das mercadorias. Hoje a Amazon possui mais de 200.000 robôs trabalhando em seus depósitos.

A Whole Foods Market foi adquirida pela Amazon em 2017. O supermercado de produtos orgânicos, naturais e sem conservantes foi vendido por US$13.7 bilhões sendo a maior compra realizada pela empresa norte-americana. A ideia era de expandir território no varejo físico e utilizar tecnologias desenvolvidas para logística e distribuição.

Amazon Prime

Apesar da revolução recente dos sucessos de plataformas de streaming, a Amazon Prime está desde de 2005 oferecendo frete grátis, descontos e programas para clientes, ainda que apenas para os Estados Unidos, mas posteriormente a países, como Alemanha, França, Itália, Japão Canadá e Reino Unido. O Amazon Vídeo, lançado em 2006, oferece “videos on demand“, como programas de televisão, séries, filmes, jogos e produções exclusivas realizadas pela Amazons Studios, principalmente concorrente da Netflix.

No Brasil, o Amazon Prime chegou em 2019 com ofertas exclusivas, frete grátis ilimitados, entrega de até 2 dias para até 90 cidades selecionadas e serviços como Prime Vídeo, Prime Music e Prime Reading ao preço de R$ 9,90 por mês.

Hoje o serviço de streaming está disponível em mais de 200 territórios, podendo ser transmitido em vários aparelhos com acesso a internet, seja conexão wifi ou de banda larga.

Outros Serviços Amazon

Assim como o Prime Vídeo, a Amazon passou a disponibilizar outros serviços durante sua revolucionária trajetória pelo streaming:

ServiçoFresh: serviço de supermercado específico para regiões de Seattle, onde os clientes podiam receber encomendas de madrugada ou mediante agendamento dentro dos horários disponíveis.

Vine.com: site de compras de produtos verdes, como mantimentos, utensílios domésticos e vestuário.

Prime Fotos: sistema de armazenamento de fotos em nuvem através do Amazon Cloud Drive

Prime Music: plataforma de streaming de músicas para celulares Android e iPhone e player de internet.

Prime Reading: serviço que dá direito a uma seleção de livros e revistas, podendo ser acessada em diversos dispositivos

Algumas dessas plataformas são restritas apenas para usuários membros Prime

Kindle da 1ª geração
10ª geração da família Kindle

Outro dispositivo mundialmente famoso e exclusivo da Amazon, o Kindle é um leitor de livro digital que permite ao usuário a leitura de livros, revistas, jornais e outras mídias digitais via internet sem fio.

A primeira geração da família Kindle surgiu em 2007 segundo comercializada apenas nos EUA, com tela de 6 polegadas e 256mb de memória. Hoje na 10ª geração, o aparelho está mais sofisticado, rápido e moderno.

Ao final de 2019, Jeff Bezos havia cerca de US$ 109 bilhões em ações graças a vendas recentes de suas participações entre 2016 e 2017. Bezos, gênio da tecnologia inovadora e sempre avançando em busca de alcançar o topo do mundo, deixou de ser um entusiasta sobre planetas e colonização e passou a vivenciar de perto um de seus maior projetos.

Blue Origin

De forma discreta, Bezos fundou a Blue Origen em 2000, mas nada pode fazer a partir do momento que suas empresas de faixada começaram a adquirir terrenos no Texas e começaram a operar sem revelar o verdadeiro plano em 2006.

Ele havia comentado ainda com 18 anos, que pretendia construir hotéis espaciais, parques de diversão e colônias para até 3 milhões de pessoas em órbita da Terra, preservando o planeta tornando-o um parque.

Testes foram feitos e até mesmo um protótipo de veículo não tripulado foi perdido, mas a notícia revelou-se como um grande potencial da empresa em atingir seu objetivo, diminuir os custos e tornar acessível às pessoas no espaço com segurança. Sua visão sobre o espaço como tendo abundancia de recursos sugere que haverá um momento em que “milhões de pessoas poderão viver e trabalhar no espaço”.

Em 2015, a New Shepard, veículo espacial da Blue Origin atingiu 1009 quilômetros de altitude em um teste perfeito e pousou em verticalmente no mesmo local de lançamento, ao oeste do Texas. O testes recentes deste veículo são planejados exclusivamente para transportar passageiros.

Em 2022 houve o quinto lançamento onde foram enviados ao espaço 6 pessoas, incluindo o engenheiro brasileiro Victor Hespanha. Bezos investiu mais de US$ 1 bilhão em ações da Amazon por ano para financiar a empresa de foguetes.

Apesar do sucesso e contribuição para humanidade com voos espaciais e possibilidade de colonização futura, a Blue Origin tem a intenção de contribuir com a ida do homem à Lua em até 2023, logo, com os avanços tecnológicos e investimentos severos, a linha de raciocínio de Bezos parece estar em correta relação de tempo.

The Washington Post

Jeff abraçou o jornalismo de forma ambiciosa ao, simplesmente, comprar o famoso The Washington Post por US$ 250 milhões. Ao migrar para leitura online, algumas grandes redes de publicações acabaram fechando as portas, mas Bezos sabia qual atitude tomar. Ele então decide por liberar o acesso gratuito do jornal para cidades onde o jornal não circulava de maneira física, aumentando o tráfego do site e maior presença dentro dos EUA.

Três anos após o movimento o jornal tornou-se lucrativo novamente e dobrou o número de acessos. Hoje, com mais de 1,5 milhões de assinantes online e vende seu seu sistema de publicação, Arc Publishing, com rendimento de mais de US$ 100 milhões ao ano.

O magnata faz investimentos pessoais através da Bezos Expeditions apoiando empresas em uma extensa gama de indústrias. Filantropo, já fez doações de milhões de dólares para causas nobres, como apoio de casamento entre pessoas do mesmo sexo e para um fundo de bolsas de estudos imigrantes menores de idade sem documentos trazidos para os Estados Unidos.

Hoje, Jeff Bezos, é a segunda pessoa mais rica do mundo, atrás apenas de Elon Musk, com uma fortuna avaliada em US$ 171 bilhões segundo a Forbes, sendo a Amazon uma das maiores e mais ricas empresas do mundo, composta pelo grupo GAFA, acrônimo de Google, Amazon, Facebook e Apple, possuindo mais de 1.500 milhões de funcionários, margem de faturamento de mais de US$ 400 bilhões e avaliada, hoje, em US$1 trilhão.

Saiba como dar o primeiro passo para ter seu novo negócio e conheça os tipos de empresas disponíveis 

Com a pandemia da Covid-19, muitas pessoas optaram por empreender em diversas áreas para conseguir uma renda extra ou para ter um novo trabalho fixo, seja no setor de alimentos, serviços, etc. Isto motivou um aumento expressivo no número de CNPJs abertos no Brasil.

De acordo com o boletim do Mapa de Empresas do 1º Quadrimestre de 2022, divulgado pelo Ministério da Economia, exatas 1.350.127 empresas foram abertas nos primeiros quatro meses de 2022, um aumento de 11,5% em relação ao mesmo período de 2021. Destas, 99,4%, ou 1.114.826 são empresários individuais, incluindo o conhecido microempreendedor individual, o MEI. 

O tempo para abrir uma empresa também diminuiu consideravelmente, agora é necessário um dia e 16 horas, um dia e 13 horas a menos quando comparamos com os quatro primeiros meses de 2021, ou seja, o empreendedor leva 48,1% menos tempo para estar com o seu CNPJ na mão e começar a empreender. 

Por isso, confira neste artigo qual o tipo de empresa que mais atende o que você precisa e o que você deve fazer para abrir seu CNPJ! 

Tipos de Empresa 

Microempreendedor Individual (MEI) 

Categoria que mais cresceu nos dois últimos anos, o microempreendedor individual, mais conhecido pela sigla MEI, pode começar seu negócio pagando um baixo valor de contribuição mensal, tendo um limite de faturamento anual de R$ 81 mil.

Este tipo de empresa abrange uma série de ocupações, que incluem: proprietário de lanchonete ou restaurante independente, fabricante de alimentos como amendoim, balas, chá, laticínios, massas, confeiteiro, etc. Você pode conferir a lista completa clicando aqui. 

Além de contar com seu próprio Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, o CNPJ, o MEI tem direito a benefícios como aposentadoria, auxílio-doença, auxílio-maternidade, salário-maternidade, entre outros; contribuição previdenciária, dispensa da obrigação de alvará e licença para executar suas atividades, acesso facilitado a linhas de crédito com juros reduzidos e, principalmente, a emissão de nota fiscal, garantindo mais transparência e segurança para os clientes. 

Para ser MEI, é necessário fazer o cadastro de forma gratuita acessando o Portal do Empreendedor, ir até a opção “Quero ser MEI”, clicar em “Formalize-se”, seguir as instruções que aparecerem nas telas seguintes e seu cadastro já estará pronto! 

As únicas obrigações que o MEI deve cumprir são: 

Pagamento da tributação mensal: Todo mês, o microempreendedor individual deve pagar sua contribuição mensal para os órgãos federais através de uma guia chamada Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), que assegura o direito aos benefícios previdenciários.

O valor é composto por 5% do salário mínimo do ano vigente mais R$ 1 do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e R$ 5 do ISS (Imposto sobre Serviços). A tributação varia conforme a categoria de atividade do MEI, ficando assim:  

  • Empresas do comércio ou indústria: R$ 61,60 (sendo R$ 60,60 para o INSS + R$ 1 de ICMS); 
  • Prestação de serviços: R$ 65,60 (sendo R$ R$ 60,60 para o INSS + R$ 5 de ISS); 
  • Comércio e serviços: R$ 66,60 (sendo R$ R$ 60,60 para o INSS + R$ 5 de ISS e R$ 1 de ICMS). 

Entrega da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-SIMEI): O empreendedor que atua como MEI deve entregar anualmente a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-SIMEI), mesmo que não tenha havido faturamento.

Se você abriu seu cadastro como MEI neste ano fique tranquilo: a declaração será enviada apenas no ano que vem. O valor da declaração é calculado proporcionalmente aos meses em que a empresa funcionou durante o ano. 

A entrega é feita totalmente on-line, através da página dedicada no site da Receita Federal. Basta digitar o CNPJ e seguir para o preenchimento da declaração. 

Microempresa (ME)  

Para quem quer investir mais, abrir uma microempresa (ME) pode ser a melhor opção. O limite anual de faturamento sobe para R$ 360 mil, aumentando as chances de ganhos, dentre as vantagens estão:  

  • Contratação de 09 funcionários (segmento de comércio e serviços) até 19 funcionários (segmento industrial); 
  • Criar uma sociedade empresarial com um ou mais sócios; 
  • Definir até quatro categorias de natureza jurídica; 
  • Escolha do regime tributário: Simples Nacional (ou Super Simples), Lucro Presumido ou Lucro Real. 

Com relação ao regime de impostos, o Simples Nacional (ou Super Simples) também possui o recolhimento unificado por meio do DAS, assim como o MEI. A diferença aqui é que são recolhidos impostos municipais, estaduais e federais (como INSS, ISS, ICMS, PIS, COFINS, IPI, etc.), mas todos são pagos em um só documento, simplificando a contabilidade. É importante mencionar que as alíquotas variam conforme o segmento que você atua e o faturamento mensal. 

Outro ponto que merece destaque quando se pensa em abrir uma microempresa é a redução de obrigações trabalhistas, como a dispensa de fixação de quadro de trabalho, anotações de férias em livros de registros, comunicar férias coletivas ao Ministério do Trabalho e Previdência e outras. 

Para abrir sua microempresa, considere que o processo leva mais tempo quando comparamos com o MEI, uma vez que existem mais etapas, que são: 

Contratação de um contador: antes de tudo, contrate um contador, já que ele será a peça fundamental para que a saúde financeira de sua empresa esteja em dia, além disso, ele será o responsável pelo livro-caixa, documento que ajuda no registro contábil e no cálculo de tributos da sua empresa. 

Procurar a direção correta: caso queira buscar orientações sobre o mercado que seu negócio vai atuar e fazer um planejamento estratégico, vá até o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) da sua cidade.

A instituição oferece consultoria sem custos on-line, mentorias com especialistas para vender pela internet e cursos gratuitos para melhorar a qualidade da sua empresa em todos os aspectos. 

Definir sua natureza jurídica: existem várias opções societárias para definir como será o seu negócio. Se não houver sócios, você pode escolher entre empresa individual ou Sociedade Limitada Unipessoal (SLU). Caso existam um os mais sócios, pode-se abrir uma Sociedade Empresária Limitada ou uma Sociedade Anônima (S/A). 

Estabeleça um nome jurídico e fantasia: já imaginou que o nome que você pensou para sua microempresa está sendo usado por outro? Por isso, acesse o site da Junta Comercial do seu estado para consultar se existe um nome idêntico ou semelhante ao da sua empresa.

Está tudo certo? Então registre os nomes, por meio da Razão Social, na própria Junta Comercial ou no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas. Lembre-se de que o nome jurídico (Razão Social) é aquele que estará em documentos e transações legais, enquanto o nome fantasia será usado para divulgar seu negócio comercialmente. 

Escolha as áreas de atuação e o local: defina em quais segmentos seu negócio irá atuar utilizando o CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas), uma vez que a regulação e a tributação dependem disso. Depois disso, veja se é possível constituir sua microempresa em sua cidade acessando o portal REDESIM. Se por acaso seu município não aderiu a REDESIM, a viabilidade só pode ser consultada na Prefeitura ou Secretaria Municipal, em um local específico. 

Faça um contrato social: uma das partes mais importantes na hora de abrir uma microempresa é a criação do contrato social, documento que define as atividades que sua empresa irá exercer e o funcionamento da mesma, além da participação de capital sua e dos sócios, caso houver. 

Registre a empresa na Junta Comercial: confira diretamente na REDESIM se você pode abrir sua empresa com a atividade, local e nome escolhidos. Se tudo estiver correto, entre no site da Receita Federal para imprimir e preencher o Documento Básico de Entrada (DBE), que garante a validade jurídica da empresa e possibilita o registro na Junta Comercial do seu estado. Com o DBE aprovado, a Junta irá fornecer tanto o CNPJ quanto o Número de Identificação do Registro da Empresa, o NIRE. 

Inscrição Municipal e Estadual: Se o município estiver cadastrado na REDESIM, a inscrição acontece automaticamente, bastando desbloquear por meio do número de protocolo que foi gerado no site. Em outros casos, é necessário verificar com a Prefeitura da sua cidade.  

Conectividade Social: uma vez que sua microempresa deverá pagar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a Previdência Social, realize o cadastro de Conectividade Social no portal da Caixa Econômica Federal. Para acessar, adquira um certificado digital no padrão ICP-Brasil. 

Opcional – Registre sua marca: se quiser divulgar sua marca, você deve registrá-la no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Lembrando que esta etapa não é obrigatória, portanto, não fazendo parte do registro no Cartório ou Junta Comercial. 

Seguindo todos estes passos, seu negócio estará pronto para funcionar! 

Continue de olho Blog da Cetro e fique por dentro de todos os nossos conteúdos, eles são feitos para ajudar você e sua empresa a evoluir sempre! 

Muitos trabalhadores já estão recebendo o benefício do FGTS desde Abril, a medida incentiva a aceleração do mercado e da economia.

Saques vinculados ao FGTS de trabalhadores brasileiros, como o Saque Extraordinário e o Saque Aniversário são benefícios que o Governo Federal libera aos contribuintes visando o crescimento da economia do país, além de dar a possibilidade para que estes trabalhadores possam quitar ou amortizar dívidas prévias. O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) foi criado em 1966 com o intuito de dar ao trabalhador uma proteção financeira em casos específicos, como a aposentadoria, a demissão e a compra de imóveis.

Além de fortalecer a economia, o saque extraordinário facilita ao consumidor adquirir bens materiais de uso doméstico e comercial, e abre a possibilidade para que este montante seja investido para o início de um novo empreendimento ou para uma nova forma de buscar renda extra, o que com o passar do tempo pode se tornar um grande negócio.

De acordo com o último levantamento disponibilizado pela Agência Sebrae de Notícias, realizado pelo Sebrae com dados da Receita Federal em relação aos novos empreendimentos no Brasil, em 2021 o país atingiu quase quatro milhões de novos empreendimentos, sendo 80% deles microempreendedores individuais de pessoas que buscam obter fontes de renda estáveis e se tornarem donos de seus próprios negócios.

A Cetro acredita na transformação de sonhos em realidade e acredita que todos que vislumbram a independência financeira podem expandir seu negócio progressivamente com padrão, segurança e qualidade. Assim, montamos um breve guia que pode ser utilizado para começar um empreendimento, nele, listamos algumas máquinas e opções de compra dentro do valor disponibilizado pelo benefício do saque aplicado.

SELADORA A VÁCUO COMERCIAL COM RESERVATÓRIO

A Cetro possui inúmeras opções de seladoras a vácuo e com certeza existe um modelo que pode ser a opção ideal para o seu novo empreendimento, de fato. São máquinas que atendem a diversos nichos do mercado e inúmeras escalas de empresas, desde pequenas, a médias e grandes produtividades, e que tem o objetivo de melhorar os processos produtivos de embalagem e finalização dos produtos.

Por conta dessa grande variedade, selecionamos uma seladora manual que une características ideais para quem está começando, como o reservatório que traz a possibilidade do trabalho com carnes prontas e produtos líquidos com um preço que cabe no bolso.

A Seladora a Vácuo Comercial com Reservatório abre a nossa lista de máquinas. Além de compacta e portátil, ela é capaz de selar qualquer tipo de produto, inclusive com líquidos pois garante sua sucção e realiza o armazenamento em um reservatório, sem risco de entupir o bico de sucção ou que ele leve qualquer resquício de material à bomba da máquina.

Utilizando embalagens lisas, o equipamento possui painel digital, o que torna o uso intuitivo, assim em apenas alguns minutos você já conseguirá embalar alimentos e comercializá-los com a segurança de um shelf life entre 5 e 10 vezes maior do que o de uma embalagem comum.

Com opções de máquinas 110V e 220V, a Seladora a Vácuo Comercial com Reservatório sai por R$ 899,00 em até 12x sem juros, podendo chegar a R$ 809,10 à vista no PIX. Sem dúvidas, essa seladora está entre as mais procuradas por comerciantes e também é ideal para quem planeja investir em seus primeiros projetos ou qualificar os processos de negócios que já estão em andamento.

Seladora Manual de Plástico PFS

Queridinha por muitos, a Seladora Manual PFS vem ganhando espaço e é um dos primeiros equipamentos de microempresários que planejam faturar com o embalo de produtos caseiros. Seja chocolates em barra, bombons, brownies, doces em geral, geladinhos, salgados, pipoca ou mesmo produtos de mercado, como carnes, legumes, peixes, queijos, massas e grãos, a PFS está entre as seladoras mais vendidas pela Cetro quando o assunto é investimento a longo prazo.

Por conta de sua baixa manutenção e alta qualidade de selagem, a PFS integra uma lista de máquinas que podem ajudar no início de pequenos projetos que têm baixo custo de produção. Produzida em plástico injetado, versátil e muito resistente, ela sela em até dois segundos e possui oito níveis de temperatura ajustáveis.

Outro motivo para que ela seja tão aproveitada por novos empresários é sua variedade de tamanho, podendo ser adquirida em modelos com barras de selagem de 10cm, 20cm, 30cm ou 40cm e podendo ser encontrada em versões de 110V e 220V. Além disso, é possível encontrar modelos de 10cm e 20cm com suporte para geladinho, facilitando o processo de produção de um produto muito vendido no Brasil.

As seladora Manuais variam entre R$ 109,90 e R$ 249,00 conforme o tamanho da barra de selagem, assim como os modelos com suporte que vão de R$ 346,90 à R$ 389,00.

Seladora de Pedal com Temporizador Cetro

Apesar de haver modelos que ultrapassam o valor destinado pelo abono do saque extraordinário, a Cetro possui modelos de Seladora de Pedal com Temporizador que cabem no bolso com facilidade, como o caso da seladora de 40cm de barra de selagem, fabricada em aço com pintura eletroestática e com baixíssimo custo de manutenção.

Este equipamento ajuda muito ao operador com o ajuste de temperatura através do seu temporizador, podendo manter-se constante durante todo o trabalho realizando selagens uniformes. A Seladora de Pedal aceita praticamente todos os tipos de plásticos soldáveis e trabalha através de acionamento de pedal, uma ótima qualidade que evita a fadiga ao poder trabalhar confortavelmente sentado.

Este modelo de 40cm de barra de selagem pode ser encontrado em nosso site por apenas R$ 835,90, assim como modelos de menor valor. Além desses, a Cetro possui modelos com até 1,5m de barra de selagem e dá as melhores condições de pagamento para qualquer máquina, entre nosso site e confira.

Datador Manual

Se estiver pensando ou precisando inserir informações importantíssimas ao seu produto, nada melhor do que oferecer ao consumidor dados, como data de fabricação, lote, vencimento e informações necessárias para que seu item embalado, envasado ou empacotado tenha credibilidade no mercado.

O Datador Manual é um equipamento completo com três linhas de impressão e até 15 dígitos por linha. O processo de impressão do datador é feito através de termotransferência garantindo impressões nítidas e invioláveis. Ele utiliza fita hot stamping que realiza a impressão no processo de aquecimento do porta dígitos às embalagens, assim elas podem ser expostas a ambientes de baixa ou alta temperatura com total tranquilidade.

É possível adquirir este mesmo datador manual por apenas R$ 589,00 em nosso site. Se preferir, ainda há a possibilidade adquirir combos deste modelo junto a fitas datadoras ou até suportes para datar potes, tampas e rótulos. Confira!!

Fritadeira Profissional Cetro Inox – Gás e Óleo

Se você pensa em fritar produtos para venda, talvez a Fritadeira Profissional Cetro Inox seja o equipamento ideal para o seu próximo negócio. Com modelos disponíveis de uma ou duas cubas, essa fritadeira é acompanhada de um cesto metálico de 3,3 litros, onde serão alocados os produtos durante o processo de fritura.

Sua cuba de de 4,8 litros permite o trabalho com uma grande quantidade de alimentos para fritura, como batata, quibe, peixe empanado, pastel, coxinha e muito mais.

Apesar de bem equipada, moderna e sofistica, a Fritadeira Profissional Cetro Inox é um equipamento simples, sendo necessário apenas seguir com atenção as suas orientações e especificações. Vale lembrar, os dois modelos utilizam apenas óleo para o preparo dos alimentos.

Hoje, em nosso site, a Fritadeira Profissional com 1 Cuba pode ser encontrada por apenas R$ 369,00. Seu modelo com duas cubas totalizando 9,6 litros sai por R$ 589,00. A Cetro possui outros modelos de fritadeiras que também são muito buscadas por profissionais da gastronomia, entre e confira.

Ainda tem dúvidas sobre como investir seu abono com máquinas da Cetro? Não tem problema. Com o nosso time de vendedores fica muito mais fácil obter informações e tirar qualquer dúvida sobre nossos equipamentos, tudo isso com comunicação humana diretamente da Matriz em Bauru.

Caso queira nos visitar e ver de perto toda a nossa estrutura e atendimento presencial, visite uma de nossas filiais em São Paulo, Rio de Janeiro ou Belo Horizonte ou visite-nos também em nossa matriz em Bauru e deslumbre o maior showroom de máquinas para embalagens da américa latina.