Léo Mello, nosso CEO, dá quatro dicas para quem quer começar a investir em um negócio próprio ainda este ano.

2021 foi um ano de recuperação para o setor industrial no Brasil. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), só no primeiro semestre, a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) ficou acima de 80%, mostrando que, com a retomada, estaremos em um bom momento para quem quer começar a apostar nesse nicho. Afinal, ainda segundo a CNI, a projeção para este ano é que esse mercado tenha um crescimento de 1,2% no PIB brasileiro.

Para começar a empreender, é necessário fazer um diagnóstico antes de investir. Léo cita quatro dicas para quem quer abrir uma indústria no próximo ano, independente do setor em que deseja atuar. Confira:

Faça pesquisas para conhecer bem o seu produto: antes de tudo, é importante saber que tipo de produto você irá produzir e se você tem domínio sobre ele. Para se aprofundar mais, é interessante procurar materiais informativos, serviços e cursos que podem te ajudar a obter uma boa consultoria e apoio para a abertura do negócio e a escolha do melhor produto, além de aproximar o seu produto do que é desejado pelo seu futuro cliente;

Fique de olho no mercado de atuação para entender se a aposta faz sentido: como muitos setores, a indústria tem seus altos e baixos, vale a pena se atentar se o produto que vai produzir tem uma boa aderência ao público. Por isso, é importante conhecer bem seu público-alvo, afinal, compreendendo bem o perfil do cliente, você terá mais capacidade para estabelecer uma comunicação eficiente, definir planejamentos estratégicos e desenvolver produtos e serviços conforme as suas necessidades;

Faça um bom planejamento financeiro:  antes de abrir seu negócio, faça as contas de quanto precisa investir. Vale avaliar alguns custos como, abertura da indústria, local de instalação, maquinário, energia, limpeza, funcionários, contabilidade, entre outros. Após isso, entenda de onde irá tirar esses recursos, se será de capital próprio ou empréstimo e analise todos os pontos que devem ser considerados. Não se esqueça de determinar, inclusive, em quanto tempo espera ter o retorno financeiro, para não ter frustrações futuras;

Aposte em equipamentos e máquinas personalizados: se a ideia é abrir uma indústria, independente do seu tamanho, ter máquinas e equipamentos que proporcionam automação e aceleram a produção, é algo inevitável. Porém, é muito importante escolher empresas que forneçam máquinas personalizadas com funcionalidades que são necessárias para o desenvolvimento do seu produto em específico. Dê preferência para quem quer resolver o seu problema e esqueça quem quer apenas te vender um produto. Hoje é possível encontrar desde seladoras, envasadoras, rotuladoras, por exemplo, que podem ser adequadas ao que a sua empresa deseja ou irá necessitar.

Confira essas e mais dicas acessando blog.cetro.com.br

Se você já empreende e quer máquinas para multiplicar sua produção, você encontra as melhores opções em www.cetro.com.br

A Cetro esteve nos quatro dias da Fispal e comandou o sucesso da indústria de automação e inovação; máquinas e equipamentos sofisticados atraíram clientes de todo o Brasil

Mais uma edição da Fispal se passou e a Cetro pôde estar entre as empresas que mais se destacaram durante todo o evento que ocorreu na São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, localizado na Capital Paulista. Foram quatro dias de muita entrega e de resultados expressivos.

Desde 2015 a Cetro Máquinas vem marcando presença na Fispal Tecnologia, reforçando a importância da atualização de equipamentos e expondo, ano a ano, as novidades inseridas em nosso mix de produtos.

Em 2022, trouxemos equipamentos mais produtivos, tecnológicos e linhas que ainda não tinham aparecido em edições anteriores da Feira, como a linha de equipamentos para indústrias farmacêuticas.

Além disso, foram expostos equipamentos que integram uma grande variedade de opções para empresas de todos os portes e nichos do mercado, apresentando soluções para o aumento da capacidade produtiva e para a inserção de tecnologia dentro de inúmeras linhas de produção.

O evento reúne executivos de grandes marcas do mercado em busca de novas formas de produzir e de resolver problemas produtivos de suas empresas. Para isso, a Cetro conta com um time de especialistas que podem sugerir o melhor equipamento e a melhor solução personalizada.

Com mais de 350 expositores, a Fispal Tecnologia e Tecno Carne reuniu cerca de 45 mil pessoas, atingindo marcas superiores dos anos anteriores. O maior encontro para indústrias de alimentos, bebidas, proteínas e embalagens contou com muito networking com profissionais do setor, novidades, tendência e muito “olho no olho” com visitantes e novos clientes.

Além da busca por novos clientes e negócios, a Cetro considera a Fispal uma das feiras mais importantes para se manter posicionada no mercado de máquinas para embalagem e automação e espera que isso continue acontecendo nos próximos anos.

A próxima edição da Fispal será entre os dias 27 e 30 de junho de 2023 e a Cetro Máquinas já tem presença confirmada.

À medida que a produção industrial se reequilibra, as projeções dos empresários se tornam termômetro para o futuro da indústria; números indicam boa relação do mercado nacional

A Produção Industrial Brasileira parece dar indícios de melhora com a alta demanda de produção futura e compra de matéria prima atingindo números animadores desde setembro de 2021. Além disso, o número de empregos nos setores estão em crescente, logo assim facilitando a ascensão dessas demandas com mão de obra qualificada no mercado.

Em mais uma pesquisa realizada pela CNI, Confederação Nacional da Indústria, 1800 empresas foram analisadas, dentre pequenas, médias e grandes porte. Nela é possível notar que as expectativas do empresariado brasileiro aumentaram.

Analisando a UCI, Unidade de Capacidade Instalada, das indústrias é visto que houve um breve aumento, atingindo 70% de capacidade. A UCI é compreendia como a quantidade de máquinas de uma indústria e o quanto ela pode atingir de produção efetiva havendo um trabalho sem interrupções, seja por falhas ou escassez de matéria-prima.

Em uma escala de 0 a 100 pontos, assim como o ICEI – Índice de Confiança do Empresário Industrial, o índice acima de 50 pontos revela um aumento considerável de produção no mês de maio, confirmando uma pontuação animadora de 53,6 pontos contra 46,5 em relação ao mês anterior.

Seguindo a mesma métrica, o emprego na indústria ganhou forças ao saltar de 49,5 em abril para 51,0 em maio, tornando-se mais disseminado ao acompanhar o impulso do crescimento da produção.

Apesar da pontuação abaixo dos 50 pontos, a Unidade de Capacidade Instalada atingiu 46,1 pontos crescendo 2,8 pontos se comparado abril quando a queda de 2,4 pontos poderia parecer abalar os setores, logo por falta de matéria-prima ou não operação constante.

Ainda em maio de 2022 a UCI da indústria geral marcou 70% de crescimento. Ponto positivo, ao longo de que no mesmo mês em 2014 o índice alcançou 71%, sendo o maior do mês desde então. Os números crescem à medida que a indústria avança desprendendo-se do breve receio vivido em épocas recentes.

Pequena Queda

A queda do índice de evolução do nível de estoques indica uma pequena diminuição dos estoques de produção se comparado ao mês de abril. Porém, apesar de estar abaixo dos 50 pontos, a marca de 49,7 ainda não possui níveis alarmantes que possam sugerir novas estratégias de mercado para driblar a falta de produto.

Contudo, o empresário pode ter te criar um alerta em relação ao nível de estoque planejado, uma vez que este nível em relação ao estoque efetivo caiu 1,5 ponto ante 50,6 pontos até então. A marca de 49,1 pontos indica uma queda mais abrangente, se considerado os últimos anos.

Apesar da “frustação” dos estoques, os empresários seguem otimistas com as expectativas de demandas e compra de matérias-primas para o mês de junho. Os índices mostram que, para o sexto mês de 2022, a pontuação de 59,1 foi a maior desde setembro do ano passado, havendo um crescimento de 1,8 ponto.

Logo, as expectativas para exportação estão praticamente estagnadas com diferença de 0,1 ponto entre junho e maio. Já a expectativa do empresário em compras de matéria-prima atingiu uma empolgante marca de 57 pontos, 1,4 ponto a mais que o mês antecedente.

Em junho de 2020 essa mesma expectativa já atingiu 61 pontos, o que indica, hoje, a boa relação do empresário sobre a visão do futuro pós-pandemia. A intenção de investimento, apesar da oscilação, é positiva e atingiu 56,4 pontos. A média histórica de propensão de investimento na indústria é de 51,1 pontos.

Ao que tudo indica

Como resultado, o desempenho da indústria geral oscilou, porém houve, em muitas etapas, uma breve evolução, principalmente em comparações entre maio de 2021 e maio de 2022. Destaca-se as médias empresas, que, no período de um mês, saltaram de 46,6 para 53,6 no índice de evolução de produção.

Outro resultado importante a destacar, as expectativas da indústria geral também mantiveram índices regulares de manutenção. Em contraste com alguns números muito parecidos, pode ser destacado o aumento da intenção de investimento da indústria extrativa que passou de 65 pontos em junho de 2021 para 69 pontos para o mesmo mês deste ano.

Estes dados podem ser obtidos aqui e você pode acompanhar este e muitos mais artigos sobre produção, indústria, inovação e automação aqui, no Blog da Cetro.

Entenda como este conceito, criado no universo das startups, pode ajudar a trazer mais resultados para sua empresa; confira dicas para aplicar o MVP de forma assertiva

Você provavelmente deve conhecer alguém que investiu muito dinheiro em um novo negócio ou produto, mas que por certos motivos acabou tendo prejuízo e, consequentemente, não conseguiu levar sua ideia para a frente. Por outro lado, existe uma técnica que, caso fosse aplicada, faria com que esse produto ou empresa pudesse ser mais aceito no mercado, estamos falando do MVP.

Esta sigla que vem do inglês e significa “Minimum Viable Product”, mas que traduzida para o português significa “Produto Minimamente Viável”. Neste artigo você irá conhecer a origem deste método, exemplos e como ele pode ser aplicado em sua empresa, auxiliando na economia de recursos e sendo um diferencial para alcançar o sucesso que seu negócio merece!

Como e quando o MVP surgiu

A Startup Enxuta, por Eric Ries – Edição 2019

A primeira vez que este termo foi introduzido aconteceu no ano de 2001 pelo cofundador e presidente da empresa de consultoria em gestão SyncDev Frank Robinson. Segundo ele, o MVP é o resultado do “desenvolvimento síncrono”, composto pela execução em paralelo do desenvolvimento de produto e desenvolvimento do cliente.

Contudo, este conceito só foi popularizado dez anos depois, em 2011, no livro “The Lean Startup” (A Startup Enxuta), escrito pelo empreendedor norte-americano Eric Ries, o qual definiu o MVP da seguinte forma:

“O produto minimamente viável é a versão de um novo produto que permite que uma equipe colete o máximo de aprendizado validado sobre os clientes com mínimo esforço.”

Eric Ries

Apesar de ter sido criado no meio das startups, o MVP pode ser usado por empresas de qualquer setor, inclusive por empreendedores que estão começando a progredir com sua empresa.

O que exatamente um MVP pode fazer para sua empresa

Vale destacar aqui que o MVP vai muito além de um protótipo, que apenas mostra o conceito e função que um determinado item pode desempenhar. Com um MVP, clientes podem testar e usar seu produto ainda no estágio inicial, dando feedbacks (retornos) sobre ele e indicando o que está funcionando e os itens e detalhes que podem ser melhorados antes da versão final e, mais bem definida, chegar ao mercado.

O principal ponto abordado pelo MVP é justamente aquela conhecida frase que diz que “tempo é dinheiro”. Ou seja, evitar que um alto investimento acabe sendo desperdiçado, caso não haja aceitação do público ou a demanda não seja atendida, e que o tempo utilizado para desenvolver o produto não seja totalmente perdido, trazendo prejuízo para todos.

Outra vantagem em usar o MVP é a facilidade de mudança na trajetória do produto, permitindo alterações durante o desenvolvimento do mesmo com base na opinião dos consumidores. Assim, complicações que podem surgir futuramente podem ser resolvidas bem antes do lançamento do produto final.

Com a origem do MVP explicada e sabendo como ele pode ajudar seu negócio, confira abaixo alguns exemplos de como esse método foi aplicado e garantiu sucesso em diversas áreas:

Exemplos de utilização do MVP

Uber (aplicativo de transportes)

Até se tornar uma das maiores empresas de mobilidade urbana do mundo, a Uber trilhou um longo caminho, fazendo vários testes para aprimorar seu serviço e adicionar novas funcionalidades.

Uma das maiores empresas de transporte terrestre do mundo, a Uber utilizou a estratégia MVP

A história da Uber começou em 2009, quando o programador Garret Camp gastou mais de 800 dólares junto com seus amigos para contratar um motorista particular. Desde então, ele começou a procurar uma forma de reduzir o preço do transporte direto particular, e chegou à conclusão de que o ideal era compartilhar o custo com os clientes.

A empresa foi lançada em fase de testes (beta) no ano de 2010 nos Estados Unidos, com o nome de UberCab, e só funcionava por meio de um aplicativo para iPhone, por mensagens SMS nos demais celulares ou ainda por seu próprio site, inicialmente atendendo a cidade de São Francisco, no estado da Califórnia, e disponibilizando apenas carros de luxo.

O MVP da Uber foi o suficiente para constatar que havia uma demanda por transporte particular acessível. O aprendizado obtido juntamente com a opinião dos usuários fez com que a empresa iniciasse sua expansão apenas um ano depois, em 2011, operando nas cidades de Nova York e Chicago.

Nova estratégia da Uber é a utilização de viagens com moto

A popular categoria UberX, com corridas mais baratas e no qual os motoristas usam seus veículos particulares, incluindo modelos de entrada, surgiu em 2012, ampliando o alcance do aplicativo para mais pessoas. Após toda essa trajetória, a Uber se consolidou no mercado onde atua, acrescentando novas funções como entregas de supermercados, bebidas, pet shops e outros (Uber Eats), encomendas (Uber Flash), pagamento por sistema pré-pago (Cash), recompensas por pontuação (Rewards), serviço de mototáxi (Uber Moto), etc. Mesmo com tudo isto, ela continua usando MVPs para melhorar seus serviços constantemente.

Até o fechamento deste artigo, um exemplo é a modalidade “Viagem para convidados”, ainda em testes e disponível só para algumas cidades brasileiras. Com ela, um usuário pode pedir uma corrida para outra pessoa informando nome completo e o número de telefone dela. Esta é uma função útil para quem eventualmente fica sem internet ou não está familiarizada com a plataforma.

Pix (criado pelo Banco Central em 2020)

Um exemplo prático de MVP encontrado em nosso mercado é o Pix, meio de pagamento instantâneo e isento de tarifas que você com certeza já ouviu falar ou oferece para seus clientes. Antes de ser lançado, o Pix passou por uma fase de testes, com funcionamento limitado, de 02 a 15 de novembro de 2020.

O sistema PIX revolucionou em pouco tempo as transações bancárias

Durante esse período, apenas 5% dos clientes dos bancos cadastrados podiam fazer transferências entre contas, mas em horários determinados pelo Banco Central. Até o dia 12 de novembro de 2020, foram feitas 826 mil operações.

O resultado obtido desde o lançamento do Pix, em 16 de novembro de 2020, não poderia ser diferente: em março de 2022 foram registradas mais de 1,6 bilhão de transações, sendo que esse número aborda desde transferências entre pessoas até pagamentos de produtos.

Atualmente, o Pix pode ser usado também para pagamentos de contas, como internet, energia elétrica, faturas de cartão de crédito, tributos federais, entre outros; saque em caixas eletrônicos de praticamente qualquer banco e até mesmo fazer compras parceladas (esta modalidade não é regulamentada pelo Banco Central, sendo adotada por bancos como o Santander e fintechs como o Mercado Pago e o PicPay).

Futuramente será possível realizar débito automático com esta ferramenta e converter o valor recebido via Pix em reais para a criptomoeda bitcoin, como a empresa argentina Lemon Cash quer fazer quando iniciar sua operação no Brasil.

Saiba agora como você pode usar a técnica do MVP a favor do seu negócio para reduzir custos e melhorar seu desenvolvimento!

Monte uma equipe

Antes de definir sua estratégia de MVP, é fundamental ter uma equipe formada e principalmente plural, com pontos de vista e visões diferentes entre si. Mesmo que você ainda não tenha funcionários, junte três pessoas, cada uma com as seguintes características:

  • Visão e conhecimento de mercado, para verificar se é possível executar o MVP do ponto de vista financeiro;
  • Alguém que pense nas formas de utilização do produto, garantindo uma excelente experiência para o cliente;
  • Uma pessoa com perfil técnico, que possa afirmar que aquele produto pode ser feito em larga escala.

Defina como será o produto

Com a equipe definida, hora de acertar mais detalhes do seu produto: qual será o nome, público-alvo, vantagens e características. Nesta fase, o ideal é realizar um brainstorming: metodologia composta pelo compartilhamento espontâneo de ideias que tem como objetivo solucionar problemas com perspectivas inovadoras.

Dica: Para facilitar o planejamento, faça uma lista de itens que só pode ser respondida com sim ou não em relação ao que seu produto tem e/ou faz e distribua para o seu pessoal. Alguns exemplos: É um aplicativo? Vai ser vendido pela internet?

Estabeleça a persona do produto

Você sabe para quem seu produto será vendido? Se você ainda não tem a resposta para esta pergunta, comece a montar o quanto antes a persona, ou seja, um perfil fictício que representa qual o cliente que mais se encaixa com o que você oferece.

Para definir uma persona, leve em conta particularidades como: comportamento, estado civil, hobbies, idade, interesses, gostos, profissão e outros dados relevantes. Além disto, procure determinar também quais são as dores e problemas da sua persona, para que assim seu produto possa resolver as necessidades dela.

Dica: Se você tiver recursos suficientes, contrate uma agência e realize com ela um estudo para definir os clientes que você deseja alcançar. Caso contrário, entre em contato com potenciais clientes e faça uma pesquisa. Inclusive, estes mesmos clientes podem ajudar não apenas na construção da persona, mas também no teste do seu MVP.

Tire todos os excessos

Como estamos explicando neste artigo, um MVP deve ser o mais enxuto possível para que os testes aconteçam da melhor forma e você entregue uma experiência satisfatória ao cliente antes do produto final estar disponível. Portanto, só o essencial deve estar presente no MVP.

Para isso, reúna sua equipe e peça para que cada um enumere quais são os itens prioritários do produto. Depois, junte tudo o que foi dito e tire os excessos, deixando apenas o que é fundamental para que seu MVP tenha sucesso.

Lance seu MVP e comece os testes

Com os pontos essenciais e o público-alvo já definidos, chegou a hora de finalmente lançar seu MVP e ver como ele será aceito por seus clientes! Isto não quer dizer que terminou por aqui.

Agora que seu MVP já está disponível, determine quais serão as métricas ou os indicadores de desempenho (KPIs) utilizados para medir e monitorar o desempenho do seu produto.

Fique atento ao feedback do seu público

Após o lançamento do seu MVP, quando receber um retorno dos seus clientes, seja ele positivo ou negativo, use isto como um termômetro para saber se seu produto está no caminho certo ou precisa de correções. Lembre-se que esta etapa de teste é feita justamente para isso.

Planeje seu MVP com atenção e veja os resultados!

Conforme você viu aqui, a criação de um MVP é importante para saber qual será a aceitação do seu produto no mercado, além de auxiliar na construção de uma base de clientes que irá ajudar a melhorar seu negócio!

Se você gostou deste artigo, não deixe de acompanhar o blog da Cetro! Aqui você encontra vários conteúdos pensados para você e sua empresa evoluírem sempre!

O longo período de pandemia acabou agravando as incertezas das indústrias brasileiras em relação ao futuro; agora o cenário pode estar, a passos curtos, voltando ao otimismo

O país viveu cenários de incertezas ao conviver com quedas abruptas de setores durante a pandemia de covid-19 em 2020 e 2021. Estes dois anos causaram impacto em diversos setores da economia mundial e não seria diferente para os empresários ativos das indústrias brasileiras.

Apesar do período conturbado, a confiança destes setores parece estar ganhando forças em enxergar boas chances de crescimento ainda em 2022, como mostram alguns índices que acendem o termômetro para essa expectativa.

Gráfico realizado em pesquisa pelo CNI mostra avanço de 1,3 ponto no ICEI de junho de 2022, a maior marca desde outubro do ano passado

A segurança do empresário é anotada após o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) apontar um otimismo em relação aos setores analisados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), recolhendo dados de 2.251 empresas de pequeno, médio e grande porte no período de 2 a 10 de maio de 2022.

As informações variam entre alta e queda de confiança com setores atingindo resultados acima de 50 pontos, mostrando um aumento de confiabilidade do setor no mês de maio em relação ao mês anterior.

Resultados abaixo de 50 pontos resultam em baixa confiabilidade do empresário para o mercado, porém pode haver aumento mesmo que o índice ainda esteja abaixo da pontuação média de confiança.

Manutenção, Reparação e Instalação de Máquinas e Equipamentos lidera o setor com mais confiança dos empresários

Esferas como Manutenção, Reparação e Instalação de Máquinas e Equipamentos (60,3 pontos), Biocombustíveis (60,2 pontos) e Produtos Farmoquímicos e Farmacêuticos (60,1 pontos) são algumas das quais atingiram pontuações de confiança consideras mais disseminadas dentre as indústrias brasileiras.

Já os campos como Produtos de Borracha (50,6 pontos), Produtos de Limpeza, Perfumaria e Higiene Pessoal (52,2 pontos) e Produtos Têxteis (53 pontos) são, hoje, os setores com mais queda de confiança dentre os empresários com base nos estudos da pesquisa.

Produção Têxtil está entre as indústrias brasileiras com menor índice de confiança

Apesar da “gangorra” envolvendo algumas divisões, o ICEI considerou, também, o índice em relação ao mesmo período do ano passado, a fim de mostrar uma variação de confiança nesses mesmos setores com pontuações elevadas.

Ramo como o de produtos Farmoquímicos e Farmacêuticos, apesar de, hoje, estar entre as maiores pontuações com 60,1, teve uma queda de 0,6 se comparado a maio de 2021. Além disso, houve quedas abruptas de confiabilidade do empresário entre este mesmo período.

O setor de Produtos de Borracha, que já atingiu 59,4 pontos, teve queda considerável de 8,8 pontos, assim como a Metalurgia, antes uma das maiores pontuações com 63,4 pontos caindo para 55,9, por exemplo.

No período de um ano, a indústria de borracha teve a maior queda dentre os segmentos destacados

Em relação ao porte das empresas, o ICEI destaca um equilíbrio de pontuação entre as pequenas, médias e grandes indústrias, constando 56,4, 57,3 e 56,6 pontos respectivamente. Apenas com uma pequena queda de 2 pontos entre as grandes se comparado a maio de 2021.

O ICEI por região destaca mais um equilíbrio entre quedas e aumentos da pontuação de confiança do empresário nacional. A região norte caiu 1,6 pontos entre abril e maio deste.

O Nordeste estabilizou pelo segundo mês consecutivo a mesma pontuação de 57,1 pontos. O sudeste teve queda de apenas 0,3 e Sul e Centro-Oeste obtiveram aumento de 0,6 e 1,3 respectivamente.

As indústrias brasileiras vem fortes e confiantes para retomar a necessidade em garantir o bom período pré-pandemia em que pudemos viver na história recente, pesar de quedas e estagnações de algumas esferas das indústrias.

Há muita positividade, pois, nenhum ramo em questão esteve abaixo da linha dos 50 pontos ou seja, o que leva a crer a boa relação de comércio que podemos aguardar após as incertezas do período pandêmico.

Confira aqui a tabela completa com os resultados setoriais da pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria.

Confira as ferramentas disponíveis para marcar a presença de sua empresa no meio digital; venda na web e se destaque na internet

Com os diversos avanços da tecnologia e com o inevitável ascensão da internet a ao longo dos anos, estar presente no mundo digital se tornou quase que obrigatório para que uma empresa tenha sucesso, não importa o segmento em que atua.

Hoje, tanto os clientes já fidelizados quanto aqueles em potencial possuem celular, rede social, aplicativo de mensagens, enfim; sempre estão conectados com amigos, familiares e com as empresas e marcas que são relevantes para seu dia a dia.

Portanto, ter espaço na internet é mais do que fundamental para que seu negócio seja reconhecido e até mesmo ser expandido. Conheça agora quais plataformas você pode usar para inserir sua empresa no ambiente on-line!

Mas antes, vamos falar sobre uma técnica que pode ser aplicada logo no início da sua jornada digital e que pode evitar gastos desnecessários.

Já ouviu falar em MVP?

Esta é a sigla para “Minimum Viable Product”, que traduzido para o português significa “Mínimo Produto Viável”, conceito que nasceu no mercado de startups, mas logo chegou as grandes corporações e aos empreendedores!

O objetivo principal desta técnica é determinar qual o menor gasto para que sua loja funcione e, além disso, ter o mínimo de funcionamento com a menor despesa para testar uma ideia ou um novo produto.

Agora que você sabe o que é o MVP, conheça em quais meios você pode colocar sua empresa na internet!

Redes sociais

O primeiro passo para começar a divulgar seu negócio na web é utilizando as redes sociais. Através delas é possível conversar diretamente com seu público de várias formas, com textos, imagens, vídeos e etc. O que vale é criar um conteúdo de qualidade que traga engajamento e interatividade para seus clientes e principalmente fazer com que mais pessoas cheguem até você!

Com tantas opções, pode ficar difícil escolher com quais redes trabalhar. Então, defina qual o seu público consumidor e crie suas páginas e/ou perfis onde seus clientes estão. Por exemplo: se o seu público for composto por jovens, o TikTok pode ser a escolha ideal para divulgar seus produtos, assim como o Instagram. E claro: sempre faça testes com a técnica de MVP para definir qual rede social é a mais adequada para seu negócio!

Quer saber como fidelizar seus novos clientes pelas redes sociais? Então clique aqui e confira nosso artigo que com certeza vai te ajudar!

Canais de comunicação on-line

Usar meios virtuais para ter contato direto com seus clientes é uma excelente forma de sua empresa estar no ambiente digital. O exemplo mais prático disto é o WhatsApp: quase todos que possuem um smartphone e acesso a internet tem este aplicativo instalado. Através de uma conta Business você pode não apenas vender, mas também tirar dúvidas, divulgar ofertas e novidades, disponibilizar catálogos, cardápios, informar sobre o horário de atendimento e etc.

O WhatsApp também permite um atendimento personalizado e humanizado para cada cliente, aumentando as chances de construir um relacionamento duradouro. Valem também os aplicativos de mensagens integrados ao Facebook e ao Instagram, sendo eles o Messenger e o Direct, respectivamente.

Perfil da Empresa no Google (antigo Google Meu Negócio)

Você já pesquisou no Google informações sobre uma determinada loja, como telefone, endereço e fotos e acabou não encontrando? Isto prova que é mais do que essencial colocar sua empresa dentro do maior provedor de buscas do mundo. E isto pode ser feito gratuitamente através do Perfil da Empresa, recurso que pode fazer com que novos clientes cheguem imediatamente ao seu negócio!

Dentro do Perfil da Empresa, que pode ser acessado pelo celular no aplicativo Google Maps e no computador diretamente pela página de busca, você pode adicionar endereço, telefone, site, horário de funcionamento, opções de serviço, uma breve descrição, fotos e atualizações, uma espécie de feed de postagens parecido com o Facebook. Dentro do Perfil podem ser feitas também perguntas vindas dos clientes e avaliações da sua empresa.

Você também tem acesso a uma página específica para conferir seu desempenho por meio de estatísticas de ligações recebidas, quais palavras-chave são usadas para encontrar seu negócio, interações, avaliações, reservas, entre outras.   

Em resumo: o Perfil da Empresa no Google trabalha como um pequeno site que pode ser colocado no ar com poucas configurações, tornando-se uma ferramenta importante para alcançar novas pessoas.

Vendas on-line através de e-commerce

Assim como fazem as grandes empresas, vender por meio de um site garante autoridade e amplia as possibilidades de aumentar o faturamento, inclusive podendo ofertar seus produtos para todo o Brasil! Aqui existem duas opções, portanto veja qual é a mais adequada para seu negócio, principalmente do ponto de vista financeiro:

Marketplace: a primeira possibilidade é colocar sua empresa dentro de uma plataforma agregadora, sendo que a grande maioria atua em diversos segmentos. Podemos citar como exemplos: Americanas, Amazon, Casas Bahia, Extra, Mercado Livre, Shoptime, etc.

A principal vantagem dos marketplaces é usufruir da estrutura das plataformas, o que inclui a logística e formas de pagamento (como cartão de crédito, Pix e crediário próprio em alguns casos), reduzindo despesas.

Site próprio: esta opção é mais adequada se você tiver uma reserva separada para investir em seu próprio e-commerce, uma vez que será necessário adquirir domínio e hospedagem, plataforma para montar o site e para efetuar pagamentos, sistema para atendimento on-line (por chat ou redirecionando para o WhatsApp), entre outros itens.

Caso seu capital seja menor, não há problema em fazer um site mais simples, funcionando como uma vitrine virtual e contendo informações básicas, incluindo a origem de sua empresa, localização e meios de contato. Assim, a venda deverá ser concluída fora do portal.

Blog

Além de ter o próprio site para auxiliar nas vendas na internet, outra maneira de divulgar sua empresa no meio digital é criando um blog e produzindo conteúdos de qualidade para manter seu público atualizado e alcançar futuros clientes. O blog também pode ajudar a direcionar visitas a sua loja virtual e vice-versa.

Lembre-se sempre de aperfeiçoar seus textos com base em SEO (Search Engine Optimization, que traduzido para o português significa “otimização de mecanismo de busca”) para que seu negócio apareça, de forma orgânica, entre os primeiros resultados do Google.

Neste caso, você deve ajustar alguns critérios para que tudo o que for elaborado chegue exatamente ao seu público-alvo, como:

  • Palavras-chave que sejam relevantes e façam sentido para seu negócio;
  • Blog responsivo, ou seja, que funcione de forma satisfatória tanto em celulares quanto em computadores;
  • Páginas com carregamento rápido, levando menos tempo para abrir;
  • Backlinks (links que levam para outros textos que estão tanto em seu blog como em seu site).

Tenha em mente que ao trabalhar com SEO os resultados não serão instantâneos, ou seja, leva tempo até seus textos estarem bem posicionados. Portanto, sempre acompanhe as métricas (estatísticas) do seu blog para saber se seus conteúdos estão tendo um bom desempenho.

Importante: Esteja em conformidade com a LGPD e outras normas

Em vigor desde setembro de 2020, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é um conjunto de normas criado para proteger os direitos de liberdade e privacidade e criar segurança jurídica quanto ao uso de dados pessoais no Brasil. Por isso, sua empresa deve estar adequada a estas leis e seguir algumas regras, incluindo:

  • Pedir a autorização do cliente para coletar informações dele, como e-mail e RG, por exemplo;
  • Alguns clientes podem solicitar que seus dados sejam ajustados ou até mesmo apagados;
  • Caso sua empresa reconheça que os dados dos clientes foram vazados, procure uma solução o quanto antes e notifique a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), responsável por fiscalizar e aplicar penas para quem descumprir a LGPD.

Fique atento também ao Marco Civil da Internet (responsável pela regulamentação de deveres, direitos e garantias no uso da internet) e ao Código de Defesa do Consumidor (documento que trata sobre as relações de consumo).

Continue nos acompanhando por aqui!

Quer ficar por dentro dos melhores conteúdos para ajudar no desenvolvimento de sua empresa? Então continue seguindo o blog da Cetro! Aqui você encontra dicas, tutoriais sobre nossos produtos e muito mais para seu negócio continuar crescendo!

O homem que, até pouco tempo, foi o mais rico do mundo decidiu expandir seu sonho para além de sua garagem; uma breve passagem pela história de sucesso de Jeff Bezos, rei do varejo digital

Entre escândalos, definições sobre sua personalidade e modo de vida pacato à magnata, no mundo inovador e da tecnologia Jeff Bezos contribui com afinco para o desenvolvimento de inúmeros mecanismos de modernização de equipamentos, internet, saúde e desenvolvimento humano.

Jeff nasceu na cidade de Albuquerque, Novo México em 1964 e cresceu em Houston, Texas. Sua mãe, Jacklyn Gise Jorgensen, concebeu o pequeno Jeff ainda na adolescência com 17 anos. Após o breve fim de seu casamento com Ted Jorgensen, pai biológico de Jeff, casou-se com Miguel “Mike” Bezos. O imigrante, que fugira da ditadura cubana de Fidel Castro, formou-se em engenharia de petróleo após período de adaptação nos EUA.

Jovem Jeff Bezos em Nova York

Posteriormente a adotar Jeff e conceder seu sobrenome ao enteado, Mike mudou-se com a família à Houston, onde trabalhou como engenheiro na Exxon. Jeff Bezos sempre se portou de maneira eficiente exemplar durante sua passagem na escola e universidade.

Já em Miami, Florida, em mudança com a família, recebeu um prêmio Prata Cavaleiro, em 1982, após frequentar o Programa de Treinamento de Ciências Estudantis na Universidade da Flórida, ainda no ensino médio.

Sua passagem pela Universidade de Princeton foi de extremo sucesso. Formou-se em engenharia elétrica e ciência da computação com honrarias de duas das mais antigas e prestigiadas fraternidades acadêmicas dos Estados Unidos.

Formou-se Phi Beta Kappa, sociedade de honra nas áreas de ciência e arte liberal, com 283 capítulos ativos e foi eleito para Tau Beta Pi, sociedade de honra mais antiga do EUA, atuando como presidente do capítulo Princeton dos Estudantes para Exploração e Desenvolvimento do Espaço.

Muito bem encaminhado academicamente, muitas ofertas de trabalho vieram a tona. Bezos iniciou sua carreira no campo da informática em Wall Street, coração financeiro de Nova York, onde está localizada a Bolsa de Valores americana.

Logo após inicio em Wall Street, decide dar uma chance a empresa ‘Fitel’, startup de telecomunicações onde trabalhou na construção de uma rede comércio internacional onde se tornou diretor de atendimento ao cliente.

Após alta experiência na Fitel, ele decide entrar para o setor financeiro de Wall Street trabalhando para a Bankers Trust, histórica organização bancaria americana, entre 1988 e 1990 como gerente de produto.

Após esse período, Bezos é introduzido à multinacional D.E.Shaw & Co., empresa desenvolvedora de de modelos matemáticos e programas sofisticados de computador para exploração de desequilíbrio no mercado financeiro.

Origem da Amazon

Ao trabalhar com números e números na D.E Shaw & Co., Jeff estudou as possibilidades reais de crescimento da internet no futuro, como 2.300% ao ano. Decidiu então optar pela demissão na multinacional e migrou com a sua esposa MacKenzie Scott para Seattle, onde, durante a viagem, estabeleceu todo o plano de negócios para empreender online na futura gigante do varejo online.

Decidiu instalar sua empresa em sua garagem e, após tempo de estudo, bons olhos para a internet e investimentos de pessoas, como seus pais e investidores contatados durante a viagem, seu sonho de empreendimento começa a ganhar contornos.

Para se tornar gigante era preciso começar pequeno. Sua loja online inicialmente vendia apenas livros, por serem fáceis de vender a preços majoritariamente baixo. Além disso, foi uma maneira de competir com outras lojas físicas de varejo.

Amazon hoje é uma das marcas mais valiosas do mundo

Por conta de uma seleção quase que infinita de títulos disponíveis no mundo, sendo impressos em diversos idiomas e uma grande variedade de edições, os livros se tornaram o carro chefe da empresa justamente pelo fato de que há mais itens nesta categoria do que em qualquer outra.

Jeff Bezos enxergava sua empresa como algo “exótico e diferente”, foi assim que remeteu o nome a Amazon, após deparar-se com o exótico e diferente Rio Amazonas. Iniciar com a letra “A” seria vantajoso de início, pois as empresas ainda eram listadas em sites de busca por ordem alfabética.

O início foi um sucesso. Mais de US$ 20 mil nos primeiros meses com livro destinados a todos os estados americanos e quase 50 países. Isso tudo apenas com toda operação manual feita por ele e seus funcionários em sua garagem, apesar de estar investindo cada vez mais por conta de sua estratégia de queima de caixa, reduzindo valores existentes em caixa.

Após 2 anos mágicos, novos investimentos e investidores a Amazon entra no mundo do mercado financeiro com IPO a US$ 18 por ação com oferta publica na Nasdaq, Associação Nacional de Corretores de Títulos de Cotações Automáticas.

Em 1998 Bezos então decide por expandir seu império comercializando CDs e filmes. Após a expansão, foi além e criou um programa de afiliados com mais de 350 mil sites parceiros dispostos a processar suas vendas pela Amazon.

Em 1999 sua empresa já havia internacionalizado o mercado digital de varejo com aquisições de concorrentes online e operando com comercialização de praticamente tudo. Toda esse sucesso categorizado pela genialidade empresarial de Jeff Bezos o fez crer que sua marca poderia saltar de “apenas” uma loja de varejo para uma gigante da tecnologia.

Amazon Web Services

Em 2002 é lançado a Amazon Web Services, mundialmente conhecida com AWS. A princípio a plataforma fornecia serviço de dados e estatísticas para sites, analisando performances e popularidade de sites, padrões de tráfego na internet e estatísticas de interesse profissionais voltados para marketing e desenvolvimento.

A AWS surge em 2006 como um serviço de computação em nuvem desenvolvido pela Amazon permitindo que o usuário alugue computadores virtuais para rodar suas próprias aplicações, além da possibilidade de alugar armazenamento de dados via internet.

O cloud computing da varejista americana oferece disponibilidade de dados, segurança e performance com muita agilidade. Atende algumas empresas e instituições, como Netflix, Nasa, iFood, CVC, Barcelona F.C, Nubak e até o Departamento de Estados dos EUA.

Pessoas físicas e pequenas empresas puderam comercializar produtos através do site da empresa após início do Fulfillment by Amazon, criado para gerenciar inventário desta categoria. Mais tarde, Amazon investiu pesado em compras de companhias para automatizar e consolidar-se no varejo físico.

Em 2012 adquiriu por US$ 775 milhões a Kiva Systems, hoje Amazon Robotic, empresa desenvolvedora de tecnologia robótica que utiliza unidades de armazenamento portáteis. São robôs móveis que navegam pelos depósitos auxiliando na condução de pods

Robôs da Amazon Robotic em operação em um dos estoques da AMazo

rastreáveis e entregando-os ao operador para que seja feita a separação das mercadorias. Hoje a Amazon possui mais de 200.000 robôs trabalhando em seus depósitos.

A Whole Foods Market foi adquirida pela Amazon em 2017. O supermercado de produtos orgânicos, naturais e sem conservantes foi vendido por US$13.7 bilhões sendo a maior compra realizada pela empresa norte-americana. A ideia era de expandir território no varejo físico e utilizar tecnologias desenvolvidas para logística e distribuição.

Amazon Prime

Apesar da revolução recente dos sucessos de plataformas de streaming, a Amazon Prime está desde de 2005 oferecendo frete grátis, descontos e programas para clientes, ainda que apenas para os Estados Unidos, mas posteriormente a países, como Alemanha, França, Itália, Japão Canadá e Reino Unido. O Amazon Vídeo, lançado em 2006, oferece “videos on demand“, como programas de televisão, séries, filmes, jogos e produções exclusivas realizadas pela Amazons Studios, principalmente concorrente da Netflix.

No Brasil, o Amazon Prime chegou em 2019 com ofertas exclusivas, frete grátis ilimitados, entrega de até 2 dias para até 90 cidades selecionadas e serviços como Prime Vídeo, Prime Music e Prime Reading ao preço de R$ 9,90 por mês.

Hoje o serviço de streaming está disponível em mais de 200 territórios, podendo ser transmitido em vários aparelhos com acesso a internet, seja conexão wifi ou de banda larga.

Outros Serviços Amazon

Assim como o Prime Vídeo, a Amazon passou a disponibilizar outros serviços durante sua revolucionária trajetória pelo streaming:

ServiçoFresh: serviço de supermercado específico para regiões de Seattle, onde os clientes podiam receber encomendas de madrugada ou mediante agendamento dentro dos horários disponíveis.

Vine.com: site de compras de produtos verdes, como mantimentos, utensílios domésticos e vestuário.

Prime Fotos: sistema de armazenamento de fotos em nuvem através do Amazon Cloud Drive

Prime Music: plataforma de streaming de músicas para celulares Android e iPhone e player de internet.

Prime Reading: serviço que dá direito a uma seleção de livros e revistas, podendo ser acessada em diversos dispositivos

Algumas dessas plataformas são restritas apenas para usuários membros Prime

Kindle da 1ª geração
10ª geração da família Kindle

Outro dispositivo mundialmente famoso e exclusivo da Amazon, o Kindle é um leitor de livro digital que permite ao usuário a leitura de livros, revistas, jornais e outras mídias digitais via internet sem fio.

A primeira geração da família Kindle surgiu em 2007 segundo comercializada apenas nos EUA, com tela de 6 polegadas e 256mb de memória. Hoje na 10ª geração, o aparelho está mais sofisticado, rápido e moderno.

Ao final de 2019, Jeff Bezos havia cerca de US$ 109 bilhões em ações graças a vendas recentes de suas participações entre 2016 e 2017. Bezos, gênio da tecnologia inovadora e sempre avançando em busca de alcançar o topo do mundo, deixou de ser um entusiasta sobre planetas e colonização e passou a vivenciar de perto um de seus maior projetos.

Blue Origin

De forma discreta, Bezos fundou a Blue Origen em 2000, mas nada pode fazer a partir do momento que suas empresas de faixada começaram a adquirir terrenos no Texas e começaram a operar sem revelar o verdadeiro plano em 2006.

Ele havia comentado ainda com 18 anos, que pretendia construir hotéis espaciais, parques de diversão e colônias para até 3 milhões de pessoas em órbita da Terra, preservando o planeta tornando-o um parque.

Testes foram feitos e até mesmo um protótipo de veículo não tripulado foi perdido, mas a notícia revelou-se como um grande potencial da empresa em atingir seu objetivo, diminuir os custos e tornar acessível às pessoas no espaço com segurança. Sua visão sobre o espaço como tendo abundancia de recursos sugere que haverá um momento em que “milhões de pessoas poderão viver e trabalhar no espaço”.

Em 2015, a New Shepard, veículo espacial da Blue Origin atingiu 1009 quilômetros de altitude em um teste perfeito e pousou em verticalmente no mesmo local de lançamento, ao oeste do Texas. O testes recentes deste veículo são planejados exclusivamente para transportar passageiros.

Em 2022 houve o quinto lançamento onde foram enviados ao espaço 6 pessoas, incluindo o engenheiro brasileiro Victor Hespanha. Bezos investiu mais de US$ 1 bilhão em ações da Amazon por ano para financiar a empresa de foguetes.

Apesar do sucesso e contribuição para humanidade com voos espaciais e possibilidade de colonização futura, a Blue Origin tem a intenção de contribuir com a ida do homem à Lua em até 2023, logo, com os avanços tecnológicos e investimentos severos, a linha de raciocínio de Bezos parece estar em correta relação de tempo.

The Washington Post

Jeff abraçou o jornalismo de forma ambiciosa ao, simplesmente, comprar o famoso The Washington Post por US$ 250 milhões. Ao migrar para leitura online, algumas grandes redes de publicações acabaram fechando as portas, mas Bezos sabia qual atitude tomar. Ele então decide por liberar o acesso gratuito do jornal para cidades onde o jornal não circulava de maneira física, aumentando o tráfego do site e maior presença dentro dos EUA.

Três anos após o movimento o jornal tornou-se lucrativo novamente e dobrou o número de acessos. Hoje, com mais de 1,5 milhões de assinantes online e vende seu seu sistema de publicação, Arc Publishing, com rendimento de mais de US$ 100 milhões ao ano.

O magnata faz investimentos pessoais através da Bezos Expeditions apoiando empresas em uma extensa gama de indústrias. Filantropo, já fez doações de milhões de dólares para causas nobres, como apoio de casamento entre pessoas do mesmo sexo e para um fundo de bolsas de estudos imigrantes menores de idade sem documentos trazidos para os Estados Unidos.

Hoje, Jeff Bezos, é a segunda pessoa mais rica do mundo, atrás apenas de Elon Musk, com uma fortuna avaliada em US$ 171 bilhões segundo a Forbes, sendo a Amazon uma das maiores e mais ricas empresas do mundo, composta pelo grupo GAFA, acrônimo de Google, Amazon, Facebook e Apple, possuindo mais de 1.500 milhões de funcionários, margem de faturamento de mais de US$ 400 bilhões e avaliada, hoje, em US$1 trilhão.

O mês de maio viu o início da implementação da metodologia 5s na Cetro. Palestras, avisos e discussões são parte da primeira etapa de um processo de estruturação organizacional e de formação corporativa da empresa a longo prazo.

Trazer a metodologia japonesa para o cotidiano, no entanto, passa por entender como ela transformará o dia a dia dos diferentes setores da Cetro. Cassio Moratelli, Gerente de Operações Logísticas, aponta algumas das melhorias que a iniciativa trará para os armazéns da empresa.

Acuracidade e Redução de Custos

Para além de uma questão visual, muito associada as formas de sinalização propostas pelo 5s, um dos benefícios de um armazém regido pela metodologia é o aperfeiçoamento de todo o ciclo do produto. A visualização do desperdício, seja de tempo ou de materiais, e consequentemente a sua eliminação, aumentam a eficácia das operações de armazenagem, explica o profissional que há 7 meses está à frente da logística da Cetro.

As atividades impactadas pela implementação do 5s, como “o andar mais do que a necessidade, o pegar mais do que o necessário”, serão trocadas por “uma movimentação com mais eficiência, o tirar e realmente levar para o lugar correto”, exemplifica Cassio.

Tecnologia e eficiência

“Um dos pontos que a metodologia vai nos ajudar a melhorar é a separação dos pedidos.”, explica o gerente de logística. Para mudar essa realidade, a implementação do 5s vem ao encontro do processo de transformação digital (T.D.), que conta com a introdução de novos sistemas e bases de dados para o aperfeiçoamento das operações da empresa.

Passo fundamental do processo de T.D. é a introdução do sistema SAP, um dos melhores softwares de gestão empresarial do mundo, que irá aprofundar a informatização de todo o processo de gerenciamento dos armazéns da Cetro. Coletores digitais, endereçamento, padronização de etiquetamento, nomes e códigos de maquinários, todos serão ainda mais integrados aos canais de venda e atendimento ao consumidor.

Mas, onde entra o 5s nessa história? A organização precisa ser uma base inegociável da cultura organizacional da Cetro.

De nada adianta o endereçamento correto em uma plataforma digital, se os corredores do armazém estão intransitáveis. “O 5s ajuda no que? Na organização da prateleira, onde vai estar esse material”, pontua o profissional. “Se a gente coleta 10 pedidos em 20 minutos, vamos trabalhar pra coletar 20 pedidos em 20 minutos.”, explica Cássio. Diminuir o tempo do ciclo do pedido como um todo é, no fim das contas, melhorar o tempo de entrega para o cliente e possibilitar a abertura de novas vendas.

Imagem de ilustração: Cassio Moratelli (à frente) e sua equipe de operações logísticas(da esq, para dir), Zenilton dos Santos, Kermesson da Silva, Luiz Fernando de Almeida, Raul dos Santos, Augusto Golzio e Denis Teixeira; no armazém central da Cetro na sede da empresa em Bauru (SP) em 2022 em meio a introdução do Programa 5s. (Créditos: Luís Germano/CETRO)
Cassio Moratelli (à frente) e sua equipe de operações logísticas(da esq, para dir), Zenilton dos Santos, Kermesson da Silva, Luiz Fernando de Almeida, Raul dos Santos, Augusto Golzio e Denis Teixeira; no armazém central da Cetro na sede da empresa em Bauru (SP) em 2022. (Créditos: Luís Germano/CETRO)

O que se transforma com o 5s no dia a dia da Cetro?

Como lembra Cássio, “nós temos um alto custo de máquinas e pessoas trabalhando para a manutenção do estoque.”. Para o profissional, o processo de implementação das metodologias de organização no setor de logística é  “baseado na redução de custo, sem que se impacte o nível de serviço”.  

A aplicação do 5s proporcionará ainda, a minimização de muitas das perdas implícitas no armazém, uma vez que o processo facilitará a continuidade das operações em caso de interrupção no funcionamento dos sistemas. Além disso, erros de operação e desperdício de tempo durante a adaptação de novos funcionários serão combatidos, uma vez que o novo colaborador poderá contar com um ambiente organizado, sabendo o que deverá fazer a partir de manuais descritivos de toda a sua área de operação, explica o profissional.

O 5s e a segurança do trabalhador

“Dentro dos armazéns nós temos trânsitos de empilhadeiras, de pessoas, de carrinhos hidráulicos. Então quando a gente entra e ele está desorganizado, há perigo para os colaboradores e para o patrimônio da empresa.”, enumera Cássio, expondo os riscos cotidianos presentes em um ambiente de alta movimentação com equipamentos pesados. Essa é a diferença do 5s segundo o profissional: “corredores livres para o trânsito de pessoas e de empilhadeiras melhora a nossa eficiência e aumenta a segurança de todos”

A lógica da organização passará a reger toda atividade do setor: “quando nós pegamos um pallet é aquela questão, ‘pra onde ele vai?’, o 5s favorece esse pensamento, quando eu tiro alguma coisa de um lugar eu tenho que levá-la para um lugar específico.”, segundo o gerente, a eliminação de movimentos desnecessários é outro importante ponto de diminuição dos acidentes de trabalho.

O profissional é taxativo quanto a importância do estabelecimento de normas que garantam a integridade do colaborador “desde a hora que eles entram na Cetro”, até o momento de ir embora: “sair da mesma forma que eles chegaram, sem nenhum arranhão, sem nenhum machucado.”.

Cassio Moratelli (à frente), gerente de operações logísticas com sua equipe(da esq. para dir.),Augusto Golzio, Teruo Haraoka Luiz Fernando de Almeida, Fernando Souza; no armazém da Cetro em Bauru/SP, Abril de 2022 em meio a implementação do Programa 5s (Créditos: Luís Germano/CETRO)
Cassio Moratelli (à frente), gerente de operações logísticas com sua equipe(da esq. para dir.),Augusto Golzio, Teruo Haraoka Luiz Fernando de Almeida, Fernando Souza; no armazém da Cetro em Bauru/SP, Abril de 2022 (Créditos: Luís Germano/CETRO)

Preparos para a internacionalização

Desde que chegou na Cetro, Cássio busca passar para sua equipe a importância de três pilares para o desenvolvimento de uma empresa: o atendimento ao cliente, a qualidade na prestação de serviços e a segurança.

No segundo item, o 5s servirá como porta de entrada para outras metodologias de qualidade, segundo o profissional, citando qualificações como a Logística Lean, voltada para redução de custos na totalidade do sistema de produção, e a IS0 9001, norma internacional de garantia da qualidade de produtos e serviços. A busca por excelência em cada experiência e jornada dos clientes e parceiros Cetro passa também pela objetivação, a curto e longo prazo, da estruturação organizacional da empresa.

A expansão internacional da Cetro é baseada, também, no reconhecimento da necessidade de atendermos as normativas internacionais, como a ISO 9001. Como coloca Cássio “nós já temos uma estruturação, agora vamos investir na organização com qualidade. E a qualidade vai abrir portas para nós, nacionalmente e internacionalmente, sem dúvida nenhuma.”

Com a ida à FCE Pharma, a Cetro Máquinas abriu caminho para feiras de tecnologia e inovação pelo Brasil; foco agora segue sendo a Fispal 2022 em São Paulo

Com a ideia de difundir a marcar neste período pós pandemia, a Cetro Máquinas participou de umas das maiores feiras de máquinas, equipamentos, embalagens, matérias-primas, acessórios e serviços voltados para o ramo de fármacos.

A FCE Pharma – Exposição Internacional de Tecnologia para a Indústria Farmacêutica de 2022 foi um sucesso de vendas e parcerias e acabou sendo um termômetro muito bem avaliado pela nossa equipe de vendas para futuras feiras, como a Fispal.

Com estande amplo e muito bem decorado, a Cetro esteve como destaque em meio a uma grande área de exposição com mais de 500 marcas expositoras, sendo empresas dos mais diversificados segmentos, como indústrias farmacêuticas, distribuidoras, máquinas, peças, cosméticos, laboratórios, saúde, transporte, logística e muito mais.

O papel da principal empresa do ramo de máquinas para embalagens do Brasil foi de apresentar ao público nossas máquinas da linha de equipamentos farmacêuticos, segmento amplamente diversificado que cresce a cada a ano e se reinventa a todo vapor buscando agilidade e qualidade na produção de cápsulas, comprimidos e embalagens.

Além disso, também estiveram algumas máquinas para composição de linha, como abastecedores e rosqueadoras, que são de suma importância para que a linha de produção seja completa e abastecida, aderindo muito mais capacidade de produção com profissionalismo e precisão.

A feira foi vista com muita positividade pela nossa equipe. Estiveram presentes alguns de nossos vendedores e colaboradores com suas principais funções com o intuito de deixar nossa presença tão marcante quanto nosso propósito, o sucesso profissional dos nosso clientes.

Assim, como um termômetro de luxo, pudemos captar boas ideias de negócios ao mesmo tempo em que garantimos uma enorme experiência de empreendedorismo.

O foco está, agora, totalmente voltado a maior feira de tecnologia para indústrias de alimentos, bebidas, proteínas e embalagens do mundo. A Fispal Tecnologia e Tecnocarne ocorrerá entre os dias 21 e 24 de junho com o inédito formato híbrido, podendo ser acompanhada pela internet e presencialmente na São Paulo Expo localizada na capital paulista.

VOCÊ NA FCE

Confira a movimentação. Faça um tour 360º pela FCE Pharma e veja como foi a maior feira voltada para produtos fármacos do mundo: