Nós sabemos que as máquinas e equipamentos necessitam de cuidados, afinal, com o tempo e uso, podem apresentar desempenhos inferiores, prejudicando a qualidade do serviço e velocidade da sua produção.

E um modo de evitar problemas nas máquinas é realizar a manutenção preventiva, conjunto de procedimentos que avaliam e corrigem os equipamentos, visando manter o seu melhor desempenho e produtividade.

Quer saber mais sobre a manutenção preventiva? Confira o nosso artigo abaixo.

O que é Manutenção Preventiva?

Segundo a norma NBR-5462, estabelecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), existem três tipos de manutenção: preditivapreventiva e corretiva.

Cada tipo exerce uma função específica para uma determinada ocasião. Por isso, as empresas devem elaborar um ciclo de manutenção considerando o seu perfil produtivo para evitar o mal funcionamento da produção.

manutenção preventiva visa prevenir falhas e defeitos de componentes das máquinas industriaisautomotivas, hidráulicas e vários outros tipos. Por isso, é preciso planejar os reparos e controlar o monitoramento das máquinas para prevenir a interrupção das atividades.

Assim, a manutenção preventiva é o método mais eficaz de realizar os reparos sem perder equipamentos devido à falta de manutenção. Ou seja, atua na prevenção de falhas para evitar paradas não programadas ou acidentes de trabalho.

Leia mais: O que é uma Linha de Produção?

Definição de Manutenção Preventiva

O foco da manutenção preventiva é restaurar as condições originais do equipamento, visando diminuir a possibilidade de erros.

Além disso, devemos destacar pontos importantes dentro da manutenção preventiva, sendo: intervalos predeterminados, critérios específicos e redução da probabilidade de falhas.

Todos esses pontos são conhecidos como “gatilhos”, ou seja, são critérios que irão determinar quando um equipamento deverá passar por manutenção. Existem quatro tipos de gatilhos:

  • Tempo: Lubrificar a peça X a cada 3 meses;
  • Horas de Funcionamento: Lubrificar a peça X a cada 1500 horas;
  • Produtividade: Lubrificar a peça X a cada 3200 peças produzidas;
  • Gatilho Misto: Lubrificar a peça X a cada 3 meses, 1500 horas de funcionamento ou 3200 peças produzidas.

Quais são as vantagens da manutenção preventiva?

Há uma série de vantagens em fazer a manutenção preventiva dos equipamentos. Entenda melhor os benefícios da manutenção corretiva.

Problemas resolvidos rapidamente

As revisões programadas permitem identificar defeitos rapidamente. Ou seja, os problemas podem ser resolvidos com maior velocidade, afinal, com os processos planejados e organizados, sua capacidade produtiva não é afetada.

Além disso, quando a máquina está falhando, acaba utilizando mais energia para compensar seu defeito. Assim, a manutenção preventiva permite otimizar o consumo desse equipamento.

Para calcular a Frequência de Inspeção utilize:

Onde “T” é o tempo para a próxima inspeção (em horas) e “MTBF” é o tempo médio entre falhas.

Pesquisa de peças novas

Realizar a manutenção pode te ajudar na identificação de trocas de peças. Já que a manutenção preventiva é feita de forma planejada, você pode pesquisar e comprar itens de quantidade pelo melhor preço.

Mas, no caso da manutenção corretiva, as peças seriam adquiridas rapidamente. Dessa forma, seria mais difícil pesquisar os preços e a sua compra seria em menor quantidade, com condições de pagamento menos agradáveis.

Se deseja saber a Frequência de Troca de Peças aplique a fórmula:

No cálculo “T” é o tempo para a próxima troca, expresso em horas, e “R” é a taxa de confiabilidade.

Tempo de vida útil do equipamento

Se uma máquina está com defeito tende a se desgastar mais. Dessa forma, uma peça defeituosa exige mais esforço dos componentes ligados a ela, resultando em uma danificação progressiva do equipamento.

Entretanto, com a manutenção preventiva, essa questão é solucionada com facilidade e evita que outras regiões sejam afetadas. Portanto, aumenta a durabilidade do equipamento e melhora seu desempenho operacional.

Leia mais: O que é Eficiência Operacional?

Quando realizar a manutenção preventiva em máquinas?

Um plano de manutenção deve ser elaborado com base em indicadores e informações sólidas dos equipamentos. Afinal, a manutenção preventiva não é uma exceção e a estratégia de implementação deve ser definida a partir de fatores que demonstrem sua real necessidade.

Confira os indicadores para realizar a tarefa:

Tempo de operação

O tempo é um dos fatores mais importantes de uma produção. Por isso, crie um planejamento para que, uma vez a cada 06 meses, a máquina seja submetida à manutenção preventiva. Assim, sua equipe pode desenvolver um cronograma para revisões e troca as peças.

Produção

Esse indicador tem como requisito o ciclo de operação da máquina, ou seja, o número de peças produzidas ou processos realizados. Por exemplo, quando o equipamento fabricar determinadas peças, você deverá realizar o processo de manutenção.

Horas de atuação

índice de horas considera as características da máquina para definir quanto a manutenção deverá ser executada. Nesse caso, o fator mais importante é a quantidade total de horas que a máquina realizou as atividades.

Classificação dos equipamentos em ABC

Como já dito, existem diversos tipos de manutenção adequadas para uma situação específica ou equipamentos diferentes. Dessa forma, você pode classificar suas máquinas e processos para determinar como realizar a manutenção sem prejudicar sua produção.

Uma classificação comum é a ABC, que divide os equipamentos em 3 categorias de prioridade: alta, média ou baixa. Acompanhe:

Classificação A

Abrange máquinas que são consideradas de alta prioridade, as mais importantes e, caso parem de funcionar, podem acarretar em prejuízos. Além disso, quando não há manutenção, podem causar acidentes aos colaboradores ou danos ao meio ambiente.

Por isso, as máquinas dessa classificação necessitam de mais atenção comparadas aos demais equipamentos. E o melhor meio de identificar possíveis falhas e otimizar o funcionamento do equipamento é através da manutenção preventiva.

Classificação B

Essa classificação envolve máquinas de prioridade média, aquelas que, caso parem de operar corretamente, não causam altos prejuízos, pois podem ser consertadas rapidamente. Para esse tipo de máquina, é recomendado o uso da manutenção preventiva assim como da manutenção preditiva.

Classificação C

Por fim, os equipamentos dessa categoria incluem máquinas que não geram prejuízos à produção ou podem causar acidentes. Portanto, sua prioridade é baixa, afinal não afetam a qualidade dos processos ao serem rapidamente trocadas.

Assim, é possível realizar manutenções corretivas em caso de falhas operacionais ou parem de funcionar.

Fórmulas para inspeção

Além disso, para calcular a frequência de inspeção, existem algumas fórmulas matemáticas que podem te ajudar na hora de verificar qual equipamento demanda manutenção.

MTBF, ou Mean Time Between Failues, é o tempo médio entre as falhas de um sistema durante sua operação. Pode ser calculado através da seguinte fórmula:

Logo, ao denominar a Taxa de Falhas de lambda, podemos ver que o resultado é o inverso do MTBF.

Outro fator importante de verificar é a confiabilidade, ou seja, a capacidade do equipamento desempenhar uma função durante um intervalo de tempo, sob condições específicas. Para descobrir o valor da confiabilidade utilizamos a fórmula abaixo:

No cálculo “R” é a confiabilidade, “λ” a taxa de falhas e “T” é o tempo de projeção.

Manutenção preventiva é eficiente?

Antes de fazer a manutenção preventiva é preciso realizar um planejamento para revisar as máquinas, sem que isso atrapalhe a linha de produção. Vale pensar com cuidado nessa parte, para que essas paradas não interrompam todo o ciclo produtivo e traga prejuízos.

Organizando as paradas dos equipamentos, você planeja também os períodos reservados para as manutenções, evitando que resultem em atrasos na produção.

Mas, vale ressaltar que, ao não realizar a manutenção preventiva, as chances de ocorrer um acidente de trabalho são maiores. Isso porque a máquina pode estar com algum defeito, operando de forma errada ou sem as peças necessárias, o que pode resultar em perda de vida útil desses equipamentos.

Além de colocar seus colaboradores em risco, a máquina pode parar de funcionar em momentos importantes da sua produção, fazendo com que os recursos investidos na etapa sejam perdidos ou gastos sem necessidade.

Qual a diferença entre manutenção preventiva e corretiva?

Sendo assim, para saber qual manutenção é a melhor para sua empresa, é preciso ter em mãos algumas informações. A preventiva e corretiva são os tipos mais comuns de manutenção realizadas por grande parte das empresas.

Entretanto, a manutenção corretiva busca corrigir as falhas que os equipamentos estejam apresentando. Dessa forma, não é programada e, em muitos casos, inclui ações drásticas, como a substituição de componentes desgastados. Assim, quando a manutenção é feita sem planejamento, gera altos custos e pode comprometer a capacidade produtiva.

Portanto, a diferença entre os dois tipos está no foco de cada ação. A manutenção preventiva é realizada antes que o problema aconteça, já a corretiva quando há falhas que impeçam o funcionamento da máquina.

Empresas que trabalham com equipamentos e soluções específicas, como envasadorasseladorasdatadoras fechadoras de caixas, que demandam cuidados referentes à manutenção e compra de peças de reposição, é necessário se atentar a esses fatores para garantir que a produtividade acompanhe a eficiência das máquinas.

E se você quer contar com uma assistência completa para qualquer lugar do país, saiba que a Cetro oferece soluções completas para a manutenção da sua produção de maneira prática e rápida.

Continue acompanhando o Blog da Cetro para novos conteúdos que podem contribuir com seu crescimento pessoal, profissional e empresarial.

O fato de economizar insumos está diretamente ligado ao processo produtivo.

Um processo de produção envolve diversas etapas e pode ser algo complexo. Quanto mais conseguirmos otimizar esses procedimentos, melhores serão os resultados do negócio.

Afinal, diminuindo os gastos, desperdícios e tempo, a produtividade será maior.

Neste artigo, vamos mostrar como os processos automatizados podem contribuir para atingir esse objetivo. Veja mais a seguir.

Automação na prática

Uma empresa automatizada é dividida em duas partes: o controle, responsabilidade humana, e o operacional, destinado aos equipamentos automáticos.

A principal vantagem de incluir esse maquinário no processo é garantir que a qualidade não será prejudicada pelo ritmo constante, tornando a produção padronizada. Além disso, os procedimentos de automação podem ser aplicados de diversas maneiras, desde pequenas etapas até uma linha de produção.

Outra grande preocupação de empresas é a segurança do operador no momento de manuseio. Da mesma forma, para obter maior sucesso de produção, é preciso garantir um padrão produtivo, de modo a evitar riscos aos colaboradores.

A importância de economizar insumos

Insumo é tudo aquilo que faz parte da produção de um serviço ou produto. A lógica de economizá-lo é simples de ser entendida, afinal, sempre é melhor gastarmos menos do que mais, certo?

Isso fica ainda melhor quando conseguimos economizar e, ainda assim, não prejudicar a qualidade e o rendimento do negócio. Imagina então conseguir tudo isso e ainda aumentar nossa produtividade?

Por isso, pensar em um bom planejamento para a realização de uma economia de insumos é de extrema importância.

Afinal, ajuda a reduzir gastos e também evita desperdícios, controlando estoque e produção, melhorando a alocação de força de trabalho e caixa,  podendo aumentar a lucratividade.

Leia mais: Como a automação aumenta a produtividade da sua empresa?

Por que automatizar a produção?

Dentro do cenário industrial, contar com maquinários automáticos é essencial para que se desenvolvam atividades seguras, em larga escala e de baixo custo. Por isso, reflita quantos processos a sua empresa desenvolve e pergunte-se: As tarefas são tarefas repetitivas? Quanto tempo o processo demanda no dia? E no mês? E no ano?

É provável que o seu time esteja desperdiçando tempo (e também dinheiro) em atividades repetitivas que poderiam ser automatizadas. Então por que não utilizar equipamentos tecnológicos para otimizar os processos?

Leia mais: Como uma máquina pode agregar valor em sua produção?

Mas afinal: como economizar insumos?

Um dos meios para trabalhar com a economia de insumos é optando por automatizar os processos.

Essa prática de automação é bastante benéfica para melhorar o rendimento dos colaboradores, evitar falhas e diminuir o tempo gasto em uma produção, o que, consequentemente, a aumentará.

A automatização de processos é mais assertiva e oferece padronização ao seu empreendimento. Mas como fazer isso? Há alguns meios que veremos a seguir:

  • Utilização de softwares on-line para a análise e criação de perfis de público-alvo, assim como para a mensuração de resultados;
  • Programas de controle de vendas, estoque e caixa;
  • Equipamentos que automatizam a produção. Por exemplo, em uma loja de venda de grãos, utilizar um dosador volumétrico programado com a dosagem e medida correta irá padronizar a mercadoria com a quantidade adequada em todas as embalagens;
  • Ferramentas automatizadas de envio de e-mail marketing para uma base selecionada de contatos;
  • Plataforma de tarefas diárias para os colaboradores, com agenda, calendário, mural, etc.

Todas essas práticas são focadas em diminuir custos com trabalhos manuais, evitar desperdícios e falhas que irão custar mais ao bolso.

Benefícios

O benefício da automação industrial está ligado à redução de gastos tendo em vista a otimização da produção. Dessa forma, é possível atender altas demandas em um curto prazo de tempo para maior rentabilidade do negócio.

Mas é preciso atenção ao optar por uma máquina que ajude a aumentar sua produtividade com maior economia de custos.

Acima de tudo, os canais de atendimento da Cetro oferecem uma assessoria completa para ajudar na aquisição dos equipamentos ideias para sua produção. Sobretudo, as máquinas possuem a maior garantia do Brasil e asseguram a sua alta produtividade.

Acompanhe o Blog da Cetro e garanta que o seu negócio tenha as melhores soluções para automatizar os seus processos.

As embalagens para estocagem são elemento-chave para o sucesso dos produtos no mercado, no que tange às vendas, e responsáveis pela comunicação entre a marca e o consumidor final.

De modo geral,  contam com quatro competências: marketing, design, logística e meio ambiente.

Mas você sabe quais os tipos de embalagem para estocar um produto?

Acompanhe o artigo de hoje e tire suas dúvidas

Embalagem

Mais do que um simples invólucro, a importância da embalagem é perceber que ela desempenha um papel de destaque na proteção e conservação dos alimentos. Afinal, os protege contra adversidades que podem reduzir a sua vida útil. Por isso, as embalagens são desenvolvidas para manter a integridade dos alimentos.

Quando você está fazendo compras e vai escolher um produto nas prateleiras, você prefere levar a embalagem em perfeito estado ou a que tem algum amassado?

Mesmo que o conteúdo dentro de ambas seja o mesmo, optamos pela que está em perfeito estado. Então por que levamos a que não está danificada?

Acontece que os consumidores tendem a comprar o que é esteticamente agradável, apesar de saber que o conteúdo é o mesmo.

Leia mais: Benefícios do ATM na conservação de alimentos

Importância das embalagens para estocagem

Mais do que um simples invólucro, a importância da embalagem é perceber que ela desempenha um papel de destaque na proteção e conservação dos alimentos. Afinal, os protege contra adversidades que podem reduzir a sua vida útil. Por isso, as embalagens são desenvolvidas para manter a integridade dos alimentos.

Quando você está fazendo compras e vai escolher um produto nas prateleiras, você prefere levar a embalagem em perfeito estado ou a que tem algum amassado?

Mesmo que o conteúdo dentro de ambas seja o mesmo, optamos pela que está em perfeito estado. Então por que levamos a que não está danificada?

Acontece que os consumidores tendem a comprar o que é esteticamente agradável, apesar de saber que o conteúdo é o mesmo.

Leia mais: Benefícios do ATM na conservação de alimentos

Benefício da embalagem 

Uma boa embalagem deve ser pensada para atender várias funções da logística: armazenamento, manuseio e também o transporte. A partir da interação, é possível reduzir custos, aumentando do nível do serviço prestado.

Estoque e transporte

Em alguns casos, é na movimentação dos estoques e troca de modal de transporte que as embalagens mais sofrem impactos. E isso pode causar danos aos produtos.

Além disso, é possível ter perdas e prejuízos para a empresa. Afinal, os produtos adquiridos pelo consumidor podem chegar comprometidos à sua mesa.

Mas o ideal é investir em embalagens com bons materiais e desenvolvidas para garantir a proteção no processo de logística. Isso pode proporcionar melhorias na utilização do espaço de estoque e transporte.

Leia mais: 3 máquinas de embalagem para pequenos produtores

Embalagens para estocagem

Quando falamos sobre estocagem, nos referimos à forma como guardamos os produtos, matérias primas e mercadorias para consumo. Afinal, todos devem ser embalados de alguma forma. Acompanhe os tipos e funções de embalagens:

Tipos

Os tipos de embalagens para estocagem são:

  • Primárias: desenvolvidas para embalar diretamente o produto, atrair consumidores e fornecer informações sobre o produto. Podem ser de diferentes materiais e contar com estratégias de marketing para aumentar as vendas;
  • Secundárias: utilizadas para proteger a embalagem primária, costumam compactar vários produtos, em quantidade menor. Por exemplo: caixa de leite (contém mais de uma unidade);
  • Terciárias: mesmo uso das secundárias, porém comportam um número maior de produtos em seu interior e são mais fáceis para a manipulação manual;
  • Quaternárias: usadas para facilitar a movimentação e deslocamento dos produtos. Por exemplo: caixas de papelão e paletes;
  • Quinto nível: ideais para transportar produtos, facilitar o seu deslocamento e protegê-los, são adequadas para mercadorias maiores ou usadas para o transporte de cargas internacionais, como containers.

Funções

Já em relação às funções das embalagens para estoque, podemos citar algumas características:

  • Proteger;
  • Conservar;
  • Informar;
  • Transportar;
  • Estocar;
  • Facilitar a manipulação dos produtos;
  • Otimizar o espaço de armazenagem;
  • Reduzir perdas ao deslocar produtos.

Como utilizar embalagem a vácuo para alimentos?

Importância para seu negócio

Agora que você sabe melhor sobre o assunto, conheça também alguns tipos de embalagem termoencolhível. São ideais para compactar cargas e oferecer resistência, impedindo que ocorram danos às mercadorias embaladas.

Além disso, se ajustam ao formato exato do produto por meio de aquecimento. Pode ser utilizada para embalar garrafas, alimentos, produtos farmacêuticos e cosméticos, entre outros.

Para que sua produtividade seja a melhor possível, os equipamentos devem acompanhar a eficiência da empresa. Por isso, a Cetro oferece as melhores soluções para embalagens de qualidade para que sua empresa cresça cada vez mais.

Quer empreender com os equipamentos corretos e contar com uma assistência completa para qualquer lugar do país? Acesse o nosso site e confira os itens que não podem faltar na sua produção.

Acompanhe o Blog da Cetro e garanta que o seu negócio tenha as melhores soluções para automatizar os seus processos.